Distintivo

Taxonomia

Código

Nota(s) de âmbito

Nota(s) de fonte(s)

Nota(s) de exibição

Termos hierárquicos

Distintivo

Termos equivalentes

Distintivo

Termos associados

Distintivo

4 descrição arquivística resultados para Distintivo

4 resultados diretamente relacionados Excluir termos específicos

Comando do Quinto Distrito Naval

DESCRIÇÃONum escudo boleado e encimado pela coroa naval, colocado sobre uma âncora de vermelho,chefe de azul com templo de prata; no contrachefe duas faixas ondadas, de prata, e brocante sobreestas uma roda de navalhas, de vermelho. Pendente do distintivo, a insígnia da Ordem do MéritoNaval.EXPLICAÇÃONo campo de azul, esmalte clássico da Marinha, a igreja do chefe rememora a catedral deSão Pedro, edificada no terceiro quartel do século XVIII, na cidade do Rio Grande, sede doComando do 5º Distrito Naval, e na qual Joaquim Marques Lisboa, mais tarde Marquês deTamandaré, foi batizado. A roda de navalhas alude ao instrumento do suplício de Santa Catarina,mártir que dá nome ao estado brasileiro que abrigou, no passado, a sede do Comando do 5º DN,sendo as águas jurisdicionais deste Distrito recordadas pelo faixado-ondado. A insígnia pendente dodistintivo foi a este anexado em decorrência do Decreto do Presidente da República Federativa doBrasil de 04 de maio de 1994, que outorgou a comenda à organização militar.

Comando do Quinto Distrito Naval

Distintivo da Corveta Imperial Marinheiro

DESCRIÇÃO
Num pentágono de cabos de ouro e encimado pela coroa naval; em campo cortadoondado de prata, com o gorro dos imperiais marinheiros, e de azul com duas machadinhas de abordagem postas em aspa, com cabos de ouro e lâminas de prata.
EXPLICAÇÃO
O gorro era o então usado pelos imperiais marinheiros e as machadinhas os instrumentos por eles manejados na faina de bordo e em combate.

Distintivo da Estação Radiogoniométrica da Marinha no Rio Grande

DESCRIÇÃO

Num escudo boleado, encimado pela coroa naval e envolto por uma elipse feita de um cabo de ouro terminado em nó direito, em campo de azul, duas centelhas de ouro, de três ramos cada uma, o segundo dos quais postos em faixa, tendo os ramos voltados para baixo terminados em forma de seta e opostos aos dois outros dispostos em aspa, envoltas aquelas por uma circunferência do mesmo metal; em chefe fendido de vermelho e verde, uma coroa de marquês.

EXPLICAÇÃO

O campo de azul, simbolizando o céu, representa o espaço infinito por onde transitam as mensagens telegráficas e recebidas pela Estação Rádio de Rio Grande, as centelhas envoltas numa circunferência, distintivo da telegrafia na Marinha, indicam as atividades da aludida estação.
No chefe fendido de vermelho e verde, a coroa de marquês, evocando o ínclito Almirante Tamandaré, alude ao Estado sulino e à cidade onde nasceu, Rio Grande, sede da estação e que lhe dá o nome, que também é memorado pelos esmaltes e metal do chefe, constantes da bandeira criada em 1836, para a efêmera República Riograndense.

Estação Radiogoniométrica da Marinha no Rio Grande

Distintivo do Centro de Intendência da Marinha em Rio Grande

DESCRIÇÃO
Num escudo boleado, encimado pela coroa naval e envolto por elipse feita de cabo de
ouro, terminado em nó direito, campo de azul com âncora de prata tendo brocante sobre a
mesma folha de acanto, de ouro, posta em faixa; no contra-chefe, faixa ondada de prata e
no chefe, igreja de prata
EXPLICAÇÃO
O campo de azul e a âncora de prata, esmalte e atributo clássicos da Marinha,
precipuamente recordam a vinculação do depósito à mesma, enquanto a folha de acanto
alude às suas atividades de Intendência; a faixa ondada, de prata, lembra a lagoa dos Patos,
confundida com um rio pelos descobridores, donde o nome original de Rio Grande de São
Pedro, topônimo igualmente recordado pela igreja do chefe, de grande vinculação com a
Marinha do Brasil, por nela haver sido batizado o Almirante Marquês de Tamandaré