Fundo NASHOC - Navio de Assistência Hospitalar Oswaldo Cruz

Código de referência

RJDPHDM NASHOC

Título

Navio de Assistência Hospitalar Oswaldo Cruz

Data(s)

  • 29/05/1984 (Produção)

Nível de descrição

Fundo

Dimensão e suporte

Suporte papel: A4
Suporte digital: .PDF

Nome do produtor

(29/05/1984)

História administrativa

O Navio de Assistência Hospitalar Oswaldo Cruz - U 18, é o primeiro navio a ostentar esse nome em homenagem ao médico sanitarista Oswaldo Cruz na Marinha do Brasil. O Oswaldo Cruz é o primeiro, de uma serie de dois Navios de Assistência Hospitalar encomendados pelo Ministério da Saúde para realizar missões de atendimento médico-odontológico às populações ribeirinhas da Região Amazônica. Foi projetado e construído pelo AMRJ - Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro, Ilha das Cobras, Rio de Janeiro, de acordo com as mais avançadas técnicas de Engenharia Naval, e com um índice de nacionalização de 98%. Teve sua construção ordenada em 20 de janeiro de 1982, quilha batida em 9 de julho de 1982, foi lançado ao mar em 11 de julho de 1983, tendo como madrinha a Sra. Deusina Pinheiro Arcoverde, e foi incorporado em 29 de maio de 1984.
Como resultado de um convênio feito entre os Ministérios da Marinha, Saúde e Previdência e Assistência Social, o NAsH Oswaldo Cruz passou a ser operado pela Marinha do Brasil.

1984

Em 28 de setembro, iniciou sua viagem para Manaus sua sede definitiva, passando a subordinação da Flotilha do Amazonas (FlotAM). Quando de sua passagem pela área marítima entre os estados do Maranhão e do Para, foi escoltado pela Cv Angostura - V 20.
1985

Entre 4 e 15 de fevereiro, realizou a sua primeira comissão de assistência hospitalar as populações ribeirinhas da região amazônica.

1986

Entre 15 de fevereiro e 15 de março, realizou comissão de assistência Médico-Odontológica as populações ribeirinhas do rio Solimões.

Entre setembro e dezembro, o NAsH Oswaldo Cruz e o Carlos Chagas participaram da Operação de Impacto no Combate a Malaria, apoiando os Governos dos Estados do Pará e Rondônia, sob a coordenação das respectivas Diretorias Regionais da SUCAM.

1987

Realizou comissão de ASSHOP na área dos Rios Solimões e Purus, no Amazonas e na área do Rio Tocantins e Ilha do Marajó, no Pará. Nessas comissões, trabalhou em conjunto com pessoal das Secretarias Estaduais de Saúde dos Estados do Amazonas e Pará, da SUCAM, da Fundação Alfredo da Matta e Instituto Evandro Chagas.

Em dezembro, esteve em Belém onde participou das comemorações do Dia do Marinheiro.

1988

Entre 1º e 30 de março, realizou comissão ASSHOP, pelos rios Solimões e Javarí com atendimentos nas localidades de Benjamin Constant, Atalaia do Norte, Tabatinga e Esteirão do Equador.

Em agosto, recebeu a visita de 19 Adidos Navais e das Forças Armadas, em viagem de observação organizada pelo Estado-Maior da Armada, a diversas localidades e instalações de OM's da Marinha e do Exercito.

No transcurso do ano atendeu a 87 localidades ao longo das calhas dos rios Solimões, Juruá, Javarí e Purus, navegando 8.576 milhas em 83 dias de mar.

1991

No inicio do ano, realizou duas viagens, prestando assistência na prevenção ao cólera, no trecho São Paulo de Oliveira-Tabatinga.

Em 11 de abril, com o navio atracado no cais da Estação Naval do Rio Negro, recebeu a visita do Presidente da Republica, Fernando Collor de Mello, acompanhado de comitiva que incluía também, o Ministro da Marinha, AE Mario César Flores e o Governador do Amazonas, Gilberto Mestrinho Medeiros Raposo. Nesse mesmo dia participou de uma Parada Naval em homenagem ao Presidente, que estava embarcado no NPaFlu Pedro Teixeira. Em seguida, juntou-se a um GT formado também pelos NPaFlu Pedro Teixeira - P 20, Rondônia - P 31 e Amapá - P 32, que desceu o Rio Negro, onde realizou uma Operação Ribeirinha, com fuzileiros navais sendo desembarcados por helicópteros UH-12 Esquilo.

No dia 12 de abril, realizou assistência hospitalar na Vila Nossa Senhora das Graças.

Em 25 de abril, chegou a Tabatinga para atuar no combate ao cólera na região.

Em maio e junho, realizou comissão de Educação em Saúde, na calha dos rios Solimões e Javari, visitando as localidades de Caiembé, Tocantins, Santo Antonio do Iça, Amoturá, Vendaval, São Paulo de Olivença, Belém do Solimões, Tabatinga, Benjamim Constant, Atalaia do Norte, Boa Esperança, Pinheiros, Jutaí e Tefé.

1992

No período de 20 a 25 de janeiro, realizou comissão de Assistência Social e Hospitalar (ASSHOP) à população do rio Javari, quando visitou 36 localidades entre Benjamim Constant e Estirão do Equador, incluindo localidades peruanas.

Em 14 de fevereiro, foi realizada a bordo solenidade da passagem do Comando da Flotilha do Amazonas, oportunidade na qual também foi assinada a Ata de fundação do Museu Fluvial do Amazonas.

Em 15 de junho, encerrou Período de Docagem de Rotina (PDR), entre diversos obras, sofreu a alteração da pintura do costado de branco com cruzes vermelhas para cinza com cruzes verdes, coerente com o brasão da Diretoria de Saúde da Marinha. Até essa docagem o navio já havia atingido as marcas de 790 dias de mar e 86.000 milhas navegadas.

Realizou comissão de ASSHOP no rio Juruá, entre as cidades de Carauari e Eirunepé.

Em 7 de outubro, encerrou comissão de ASSHOP no rio Solimões, entre as cidades de Tefé e Tabatinga.

1994

Em 29 de maio, completou 10 anos de serviço ativo, tendo até essa data atingido as marcas de 1.122,5 dias de mar, 122.631 milhas navegadas e foram realizados 84.487 atendimentos médicos e 22.556 odontológicos.

Entre 10 de julho e 5 de agosto, participou da Operação BRACOLPER/94, em Grupo-Tarefa com os NPaFlu Pedro Teixeira - P 20 e Roraima - P 30, além de elementos dos Comandos do 4º Distrito Naval, Comando da Flotilha do Amazonas, 3º Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral, Grupamento de Fuzileiros Navais de Belém e Manaus. A comissão teve como propósito, representar a Marinha nas datas comemorativas da Independência da Colômbia e do Peru, além do adestramento das tripulações e o fortalecimento dos laços com as Marinhas dos paises vizinhos. Foram visitadas as cidades de Letícia (Colombia) e Iquitos (Peru).

Durante o ano de 1994, realizou 162 dias de mar, 17.694 milhas navegadas, percorrendo 13 diferentes rios e visitando localidades como Iquitos, no Rio Marañon; Vila Bittencourt, no Rio Japurá; Envira, no Rio Tarauacá; Boca do Acre, no Rio Purus; Baião, no Rio Tocantins e Porto Velho no Rio Madeira. Foram realizados 15.249 atendimentos médicos e 4.271 odontológicos, e os helicópteros HU-3, operando como aeronave orgânica do navio realizaram 200 horas de vôo. Participou durante o ano de 4 Operações RIBEIREX.

Conquistou pelo terceiro ano consecutivo, a Láurea de Distinção de Segurança de Aviação do SIPAAeRM, recebendo o premio em cerimônia a bordo, que contou com a participação do Vice-Diretor de Aeronáutica da Marinha.

1995

Em 2 de abril, durante uma comissão de Assistência Hospitalar em Novo Airão, teve a audiência do Presidente Fernando Henrique Cardoso e comitiva, que vieram ao local, acompanhar as atividades da Marinha, a bordo do NPaFlu Raposo Tavares.

Em 17 de maio, recebeu a visita do Ministro da Saúde, Dr. Adib Jatene.

Em 19 de dezembro, participou de uma Parada Naval no Rio Negro, em frente à cidade de Manaus, comandada pelo Comandante Naval da Amazônia Ocidental, embarcado no NPaFlu Pedro Teixeira - P 20, e que contou com a participação dos NPaFlu Raposo Tavares - P 21, Roraima - P 30, Rondônia - P 31 e Amapá - P 32 e os NAsH Oswaldo Cruz - U 18 e Carlos Chagas - U 19.

1996

Em julho e agosto, realizou a Operação BRACOLPER/96, junto com o NPaFlu Raposo Tavares - P 21, visitando os portos de Tabatinga, Letícia (Colômbia) e Iquitos (Peru). O deslocamento entre os portos de Letícia e Iquitos, pelo rio Marañon, foi realizado em formatura, com unidades das Marinhas da Colômbia e do Peru.

1997

Entre 10 de janeiro e 2 de fevereiro, realizou comissão de ASSHOP na área do Rio Purus.

Durante três semanas, o NAsH Oswaldo Cruz e o NPaFlu Raposo Tavares, transportaram equipes de universitários e orientadores, pertencentes à PUC e UNISINOS, do Rio Grande do Sul, a a UNICAMP e Universidade São Francisco, de São Paulo, que através do Programa Universidade Solidária, visitaram e travaram contato com várias comunidades, ao longo do Rio Purus até Canutama-AM, distante 1250 km de Manaus e as cidades de Codajás, Beruri, Manaquiri e Iranduba, no Rio Solimões.

Entre 18 de julho e 5 de agosto, realizou comissão de ASSHOP na área dos Rios Xingu e Trombetas.

Entre 29 de outubro e 9 de novembro, realizou comissão de ASSHOP na área do Rio Purus.

Entre 18 de novembro e 22 de dezembro, realizou comissão de ASSHOP e auxilio humanitário na área dos Rios Xingu, Trombetas, Jarí, Tocantins, Maranhão e parte da malha fluvial na Ilha de Marajó. Essa comissão, beneficiou 8.500 pessoas, e incluiu 3.800 consultas médicas; 1.500 procedimentos odontológicos; 1.200 administrações de vacina e 950 procedimentos de enfermagem, batendo assim o recorde, em uma única comissão, de atendimento médico-odontológico e de educação para a saúde as populações ribeirinhas da Amazônia.

1998

Entre 16 de janeiro e 8 de fevereiro, realizou comissão de ASSHOP na área do Rio Purus.

Entre 16 de março e 10 de abril, realizou comissão de ASSHOP na região do Rio Juruá.

Entre 19 de maio e 8 de junho, realizou comissão de ASSHOP na região fo Rio Solimões.

Entre 1º e 5 de agosto, realizou comissão de ASSHOP na região do Rio Javari.

Entre 8 e 17 de agosto, realizou comissão de ASSHOP na região do Rio Juruá.

Entre 14 e 25 de setembro, realizou comissão de ASSHOP na área dos Rios Negro e Branco.

1999

Durante Período de Reparos realizado na Base Naval de Val-de-Cães, em Belém, teve os seus MCP do tipo Scania substituído por novos motores Volvo-Penta.

2000

Entre 11 de fevereiro e 4 de março, realizou comissão de ASSHOP entre a ENRN (Rio Negro) e o Rio Juruá.

Entre 28 de fevereiro e 18 de abril, realizou comissão de ASSHOP entre a ENRN (Rio Negro) e o Rio Purus.

2001

Entre 5 e 23 de fevereiro, realizou comissão de ASSHOP na área dos Rio Negro, Amazonas e Madeira.

Entre 5 e 23 de março, realizou comissão de ASSHOP na área dos Rio Negro, Solimões e Javari.

Entre 2 e 27 de abril, realizou comissão de ASSHOP na área dos Rio Negro, Solimões e Purus.

Entre 2 e 11 de maio, realizou comissão de ASSHOP na área dos Rio Negro, Solimões e Juruá.

Entre maio e junho, participou da Operação ADERIB 2001, no Rio Iça, próximo a localidade de Santo Antônio do Iça, junto com o NPaFlu Pedro Teixeira e Amapá e o NPa Parati, além de três aeronaves UH-12, uma Companhia de Fuzileiros Navais do GptFNMa, um destacamento do GptFNBe e um destacamento da Companhia de Comunicações de Fuzileiros Navais.

Entre 8 e 29 de junho, realizou comissão ASSHOP na área dos Rio Negro, Solimões e Iça. Durante essa comissão também foi levado a cabo o Projeto Amazônia VISÃO 2000, com a participação de técnicos civis destacados da área de oftalmologia.

Entre 9 e 26 de julho, realizou comissão ASSHOP na área dos Rio Negro, Solimões e Purus.

Entre 7 e 23 de agosto, realizou comissão de ASSHOP na área dos Rio Negro e Branco.

2002

Entre 5 e 23 de fevereiro, realizou a comissão ASSHOP II na área do Rio Madeira.

Entre 5 e 23 de março, realizou a comissão ASSHOP IV na área do Rio Javari.

Entre 2 e 27 de abril, realizou a comissão ASSHOP VI na área do Rio Purus.

Entre 2 e 16 de maio, realizou a comissão ASSHOP VII na área do Rio Juruá.

Entre 17 de junho e 3 de julho, realizou a comissão ASSHOP VIII na área dos Rios Negro e Branco. Quase junto realizou entre 4 e 29 de junho a comissão ASSHOP IX na área dos Rios Solimões e Iça.

Entre 9 e 26 de julho, realizou comissão ASSHOP XI na área dos Rios Negro e Branco.

Entre 7 e 24 de agosto, realizou comissão ASSHOP XIII na área dos Rios Negro e Branco.

2003

Entre 27 de agosto a 14 de setembro, realizou comissão ASSHOP XVI na área dos Rios Solimões e Iça.

Entre 25 de setembro e 14 de outubro, realizou comissão ASSHOP XVII na área do Rio Juruá.

Entre 10 e 26 de novembro, realizou comissão ASSHOP XVIII na área do Rio Javarí.

Entre 2 e 23 de dezembro, realizou comissão ASSHOP XX na área dos Rios Xingú, Trombetas e Jarí.

2004

Participou da Operação TIMBÓ II, com os NPaFlu Pedro Teixeira – P 20, Raposo Tavares – P 21 e Roraima – P 30.

2005

Em 3 de agosto, foi submetido a VSA pela SIPAA-9ºDN (Seção de Investigação de Prevenção de Acidentes do Comando do 9º Distrito Naval.

2006

Entre 15 e 21 de maio, participou da Operação ADERIB-2006, onde foram empregados todos os navios da Flotilha do Amazonas, embarcações da Capitania Fluvial da Amazônia Ocidental e da Agencia em Tefé, além de um Grupo de Apoio Logístico, composto por meios da Estação aval do Rio Negro e do Deposito Naval de Manaus, tropas do Batalhão de Operações Ribeirinhas e aeronaves do 5º Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral. A operação foi realizada na área do município de Coari-AM, mobilizando um efetivo embarcado de cerca de 1.000 militares. Ao Comandante da FT Ribeirinha foi atribuída a missão de restabelecer e manter o controle de uma área ribeirinha entre a foz do Paraná do Copeá até a localidade de Coari, no rio Solimões, a fim de garantir o escoamento de gás e petróleo produzido na província petrolífera de Urucu.

2007

Em 11 de junho, data alusiva ao 142º Aniversario da Batalha Naval do Riachuelo, realizou ação de presença em Parintins.

Entre 24 de setembro e 3 de outubro participou da Operação RIBEIREX-AM 2007 nas comunidades Augusto Montenegro, Itapeaçu e Urucurituba, localizadas nas proximidades de Itacoatiara. A operação foi coordenada pelo Comando do 9º Distrito Naval e a FT Ribeirinha foi formada pelos Navios-Patrulha Fluviais Pedro Teixeira e Rondônia, os Navios-Patrulha Bracuí e Pampeiro, Navios de Assistência Hospitalar Oswaldo Cruz e Doutor Montenegro e o Navio-Auxiliar Pará, com a Agência de Itacoatiara prestando apoio. Foram realizados exercícios ofensivos para o restabelecimento do controle fluvial da região, por meio de Operação Ribeirinha, e Ações Cívico-Sociais (ACISO).

2008

Em 14 de abril, suspendeu da ENRN, para realizar atendimento atendimento médico/odontológico e farmacêutico às comunidades indígenas do Vale do Javari. A comissão durou em torno de 25 dias e atendeu as comunidades indígenas tais como Korubo e Kanamari, em localidades como Atalaia do Norte, São Luís, Campinas etc.

Entre 4 e 14 de agosto, participou da Operação Combinada PORAQUÊ, sob coordenação do Comando Militar da Amazônia. Os meios do Com9ºDN que participaram foram os NPaFlu Raposo Tavares, Pedro Teixeira, Amapá e Roraima, os NAsH Carlos Chagas e Oswaldo Cruz, a Barca-Oficina Alecrim, o DFlu Jerônimo Gonçalves, uma Balsa do Deposito Naval de Manaus com um Empurrador Regional, constituindo o Trem Logístico Móvel, uma Agencia Flutuante, 4 embarcações regionais utilizadas para o transporte dos Fuzileiros Navais, três Lanchas, um Destacamento do Batalhão de Operações Ribeirinhas, com aproximadamente 450 militares e 4 aeronaves UH-12 Esquilo. O Com4ºDN forneceu os NPa Bocaina, Pampeiro e Parati e um pelotão de Fuzileiros Navais do GptFNBe. A Força de Fuzileiros da Esquadra forneceu um Elemento Anfíbio com Destacamentos de Forças Especiais da Marinha (Grupamento de Mergulhadores de Combate e Batalhão de Operações Especiais de Fuzileiros Navais.

Durante a Operação, enquanto realizava ASSHOP em Novo Airão-AM, recebeu a visita do MD, Nelson Jobim, acompanhado pelo CM, AE Julio Soares de Moura Neto, do CEx, Gen.Ex. Enzo Martins Peri, do CAer, Ten.Brig. Juniti Saito, do CEMD, AE Marcos Martins Torres, do CMA, Gen.Ex. Augusto Heleno Ribeiro Pereira, e do Com9ºDN, VA Pedro Fava.

2010

Recebeu a estação tática do SISCOMIS, para comunicações por banda X e Ku.

2011

Entre 11 de abril e 10 de maio, realizou comissão de ASSHOP.

Em 10 de maio, por volta das 08:00h, um Esquilo do HU-3 operando com o navio caiu entre os rios Negro e Solimões nas proximidades de Manaus, ferindo cinco tripulantes, entre eles, o Capitão-Tenente André Luiz Abreu, o 1º Tenente Carlos Alberto Pereira Cano, o 1º Sargento Ricardo Lelis dos Santos, o 1º Sargento Dácio Lutterbach da Silva e o Cabo Renato dos Santos Gomes, depois de colidir com a proa do navio. Também ficou ferido o Cabo Adriano Ribeiro Carvalho que foi atingido por um fragmento da aeronave acidentada.

Entre 23 de maio e 3 de junho, participou da Operação AMAZÔNIA 2011, que envolveu meios e efetivos da Marinha, Exército e da Aeronáutica em uma área de aproximadamente 800 mil quilômetros quadrados, abrangendo os municípios de Manaus, São Gabriel da Cachoeira, Tefé, Coari, Japurá, Fonte Boa, Jutaí e Yauaretê. A FT Ribeirinha era formada pelos NaPaFlu Pedro Teixeira – P 20, Rondônia – P 31 e Amapá – P 32, os NPa Pampeiro – P 12 e Bocaina – P 62, o NA Pará – U 15 e o NAsH Oswaldo Cruz - U 18, além do 3º Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral (HU-3) e de um Grupamento Operativo de Fuzileiros Navais, composto por elementos do Comando da Força de Fuzileiros da Esquadra, do Grupamento de Fuzileiros Navais de Belém e do Batalhão de Operações Ribeirinhas.

Tomou parte na Operação AGATA I, coordenada pelo MD e com a participação das três Forças, da Força Nacional de Segurança, ABIN, Policia Federal, Receita Federal, IBAMA e outras agencias, realizada entre 4 e 19 de agosto, com o objetivo de combater delitos transfronteiriços e ambientais na faixa de fronteira da Amazônia. A Operação foi comandada pelo Comandante da Área de Operações Amazônia, Gen Ex Luiz Carlos Gomes Mattos e o Comandante da Força Naval Componente foi o Comandante do 9º Distrito Naval, Vice-Almirante Antonio Carlos Frade Carneiro. A Marinha empregou os NPaFlu Pedro Teixeira – P 20 (capitânia), Roraima – P 30 e Amapá – P 32, os NAsH Dr. Montenegro – U 16 e Oswaldo Cruz – U 18 e duas aeronaves e embarcações de patrulha e inspeção naval nas ações realizadas nas calhas dos Rios Solimões, Içá, Japurá e Negro.

No dia 5 de agosto, foram atendidas 100 pessoas do município de Santa Isabel do Rio Negro-AM, sendo realizados 314 procedimentos: 39 atendimentos médicos, 245 odontológicos, 10 de enfermagem, 5 exames laboratoriais, 6 exames ginecológicos, 4 exames dermatológicos, 1 intervenção cirúrgica e 4 raio-X. Além disso, foram ministradas palestras sobre Doenças Sexualmente Transmissíveis/AIDS e higiene bucal para 287 alunos.

No dia 6 o navio apreendeu uma balsa com uma carga de peixes ornamentais. Por meio da Operação AGATA 1, houve o contato com a equipe do IBAMA, que se aproximou do local para constatar as irregularidades da mercadoria.

No dia 8 de agosto, atendeu 50 pessoas na comunidade Samaúma, localizada a 32 quilômetros de Santa Isabel do Rio Negro. Foram feitos 191 procedimentos, entre atendimentos médicos, odontológicos, de enfermagem, dermatológicos e vacinações.

2012

Entre 17 e 28 de setembro participou da Operação AMAZONIA 2012, realizada em conjunto com o Exército e a Força sob o comando do Ministério da Defesa. A FT ribeirinha foi formada pelos NPaFlu Pedro Teixeira – P 20, Raposo Tavares – P 21, Roraima – P 30, Rondônia – P 31 e Amapá – P 32, os NPa Pampeiro – P 12 e Parati – P 13, os NAsH Osvaldo Cruz – U 18 e Carlos Chagas – U 19, o NPa Guarujá – P 49 do 4º DN e três helicópteros UH-12 Esquilo do Esquadrão HU-3. Os exercícios de patrulha e controle de calhas e hidrovias realizados por esses meios aconteceram no Rio Solimões – de Iranduba até a foz do Rio Purus e no Rio Purus da foz até Paricatuba.

2013

Entre 7 e 19 de abril participou de uma operação conjunta de Assistência Hospitalar (ASSHOP) com a Marinha do Peru no rio Javari, divisa dos dois países. Foram empregados o NPaFlu Pedro Teixeira – P 20 e o NAsH Oswaldo Cruz – U 18, além dos BAP Amazonas – CF 11 e BAP Curaray – ABH 304, este último de assistência hospitalar, com as tarefas de assistir à população ribeirinha daquelas localidades afastadas dos centros urbanos, bem como estreitar laços de amizade entre as duas Marinhas.

Participou da Operação AGATA 7 que ocorreu entre os dias 18 de maio e 6 de junho, no transcorrer da qual realizou Ação Cívico-Social (ACISO).

Entidade custodiadora

Procedência

Navio de Assistência Hospitalar Oswaldo Cruz.

Âmbito e conteúdo

Documentos relacionados ao Navio de Assistência Hospitalar Oswaldo Cruz

Avaliação, selecção e eliminação

Ingressos adicionais

Sistema de arranjo

Condições de acesso

Livre

Condiçoes de reprodução

Sem restrição

Idioma do material

  • português do Brasil

Script do material

Notas ao idioma e script

Características físicas e requisitos técnicos

Instrumentos de descrição

Existência e localização de originais

Existência e localização de cópias

Unidades de descrição relacionadas

Descrições relacionadas

Identificador(es) alternativos

Pontos de acesso de assunto

Pontos de acesso local

Ponto de acesso nome

Pontos de acesso de gênero

Identificador da descrição

Identificador da instituição

Regras ou convenções utilizadas

Status

Final

Nível de detalhamento

Parcial

Datas de criação, revisão, eliminação

26/11/2013

Idioma(s)

Sistema(s) de escrita(s)

Fontes

Zona da incorporação

Assuntos relacionados

Pessoas e organizações relacionadas

Gêneros relacionados

Lugares relacionados