Navio Balizador Tenente Castelo

Área de identificação

tipo de entidade

Entidade coletiva

Forma autorizada do nome

Navio Balizador Tenente Castelo

Forma(s) paralela(s) de nome

  • NBTENCASTELO

Formas normalizadas do nome de acordo com outras regras

  • NBTELO

Outra(s) forma(s) do nome

  • 84514

identificadores para entidades coletivas

área de descrição

datas de existência

15/12/1983

história

O Navio Balizador Tenente Castelo - H 19, é o primeiro navio a ostentar esse nome na Marinha do Brasil, em homenagem ao 1º Tenente hidrógrafo José Ribamar dos Reis Castelo Branco, falecido em acidente de serviço a bordo do NHi Rio Branco em 18 de abril de 1953. Foi construído pelo Estaleiro São João S.A., em Manaus-AM, financiado com recursos da SUNAMAM - Superintendência Nacional da Marinha Mercante. O Tenente Castelo é o segundo de uma serie de quatro unidades da mesma classe. Foi submetido a Mostra de Armamento e incorporado a Armada em 15 de dezembro de 1983, pela O.D. n.º 006 do Chefe do Estado-Maior da Armada, em cumprimento à Portaria n.º 0712/83 do MM da mesma data. Naquela ocasião, assumiu o comando o Capitão-Tenente Carlos Alberto Rodrigues.

Logo após seu recebimento pela Diretoria de Hidrografia e Navegação (DHN), passou a ser subordinado ao Centro de Sinalização Náutica Almirante Morais Rego (CAMR).

1986

Em 1º de janeiro, entra em vigor a portaria n.º1025, de 26 de novembro de 1985, transferindo a sua subordinação para o recém criado Serviço de Sinalização Náutica da Barra Norte do Rio Amazonas - SSN-41, subordinado ao Comando do 4º DN, passando a operar a partir de Santana-AP. O SSN-41 assumiu o balizamento instalado na região e mantido nos anos sessenta e setenta pela Industria e Comércio de Minério (ICOMI) com o objetivo de permitir o escoamento do minério de manganês da Serra do Navio.

1990

Em 6 de março, foi ativado o Serviço de Sinalização Náutica da Barra Norte do Rio Amazonas (SINBNT), em cerimônia presidida pelo Com4ºDN, VA Sérgio Alves Lima, assumindo o comando interino o CT Alberto Piovessana Júnior, com sede em Santana, Amapá. O SINBNT, conta além do NB Tenente Castelo, com uma Barca Farol de 17 sinais fixos e 21 sinais flutuantes.

1994

Na primeira quinzena de janeiro, visitou a cidade de Oiapoque-AP, junto com o NPa Parati - P 13, onde estabeleceu um balizamento provisório demarcando os pontos mais críticos e perigosos à navegação daquele rio que separa o Brasil da Guiana Francesa, marcando a presença até então inédita de um navio brasileiro naquele local.

1995

Entre 13 e 16 de setembro, visitou o porto de Caiena (Guiana Francesa).

2000

Realizou 15 comissões de Balizamento da Barra Norte do Rio Amazonas (BALIBANO), além de Ação Cívico Social (ACISO) Barra Norte nas localidades de Afuá e Canivete no Pará, resgate e rodízio da Barca Farol Manuel Luiz no Maranhão, apoio a Defesa Civil em calamidade publica em Laranjal do Jarí, no Pará.

Em dezembro, completou 17 anos de serviço, tendo atingido as marcas de 1.202 dias de mar e 136.067 milhas navegadas.

2001

Em dezembro, completou 18 anos de serviço, tendo nesse ano realizado 11 comissões, das quais se destacaram a de Balizamento da Barra Norte do Rio Amazonas (BALIBANO), inspeção do balizamento do Rio Jarí, reboque da Lancha Balizadora Amazonas e o resgate do barco pesqueiro Águia, que se encontrava à deriva próximo ao Canal do Curuá.

2011

O navio passou por processo de modernização conduzido pela BNVC tendo entre outras melhorias recebido o Sistema de Controle de Avarias (SCAV), derivado do mesmo sistema desenvolvido pelo IPqM e instalado nas fragatas classe Niterói durante o Programa ModFrag.

Locais

Belém - Pará.

status legal

funções, ocupações e atividades

Afeto à Diretoria de Hidrografia e Navegação da Marinha do Brasil, Centro de Sinalização Náutica Almirante Morais Rego (CAMR), e atua no Serviço de Sinalização Náutica da Barra Norte do Rio Amazonas (SINBNT).

Foi construído no Estaleiro São João S.A., em Manaus, Amazonas, com financiamento Superintendência Nacional da Marinha Mercante (SUNAMAM), sua construção foi concluída nos Estaleiro da Amazônia (ESTANAVE).

Foi submetido a Mostra de Armamento e incorporado a Armada em 15 de dezembro de 1983.

Mandatos/Fontes de autoridade

Estruturas internas/genealogia

contexto geral

Área de relacionamento

Área de ponto de acesso

Ocupações

Área de controle

Identificador do registro de autoridade

Identificador da instituição

Regras ou convenções utilizadas

Status

Final

Nível de detalhamento

Parcial

Datas de criação, revisão e eliminação

18/09/2013 - Nathália Costa - Estagiária.

Idioma(s)

Sistema(s) de escrita(s)

Fontes

Notas de manutenção

  • Área de Transferência

  • Exportar

  • EAC