Fundo CZABARROSO - Cruzador Barroso, 1896 - 1931

Código de referência

RJDPHDM CZABARROSO

Título

Cruzador Barroso, 1896 - 1931

Data(s)

  • 1896 - 1931 (Produção)

Nível de descrição

Fundo

Dimensão e suporte

Suporte papel: A4
Suporte digital: .PDF

Nome do produtor

(1896 - 1931)

História administrativa

O Cruzador Barroso, foi o quarto navio a ostentar esse nome na Marinha do Brasil em homenagem ao Almirante Francisco Manuel Barroso da Silva, Barão do Amazonas. Foi construído pelo estaleiro Armstrong Mitchell & Co., em Elswick, Newcastle-on-Tyne, Reino Unido, seguindo o desenho do projetista Philip Watts. Teve sua quilha batida em 1895, foi lançado ao mar em 1896 e incorporado e submetido a Mostra de Armamento em 25 de agosto de 1896. Naquela ocasião, assumiu o comando o Capitão-de-Mar-e-Guerra Henrique Pinheiro Guedes.
Haviam mais três navios da classe do Barroso, o Amazonas e o Almirante Abreu, que foram adquiridos pelos EUA, recebendo os nomes de USS New Orleans e USS Albany e mais um que foi comprado pelo Chile onde recebeu o nome de Ministro Zenteno. Foi o primeiro navio da Marinha do Brasil, a ter um sistema de radiotelegrafia.

Desempenhou diversas comissões, quase todas de caráter diplomático.

1900 - Integrando a Divisão Branca, composta também pelo Encouraçado Riachuelo e pelo Cruzador Torpedeiro Tamoyo, conduziu o Presidente Campos Sales a Buenos Aires, em visita oficial à República Argentina.

1901 - Em 2 de janeiro foi extinta a Divisão de Instrução e Criada a 1ª Divisão de Evoluções tendo como comandante o Contra-Almirante Carlos Frederico de Noronha e composta pelo Encouraçado Riachuelo, pelo Cruzador Barroso e Cruzadores-Torpedeiros Tupy e Tamoyo.

1902 - Foi capitânia da Divisão Naval do Norte.

1906 - Foi capitânia da Divisão Naval, que foi a Jacuacanga estudar a instalação, ali, de um porto militar quando se deu o desastre do Encouraçado Aquidabã.

1907-08 - Fez viagem ao Pacifico, visitando o Chile, acompanhado do Encouraçado Riachuelo e do Cruzador Torpedeiro Tamoyo. Tomou parte também na famosa Revista Naval Internacional de Hampton Roads, nos Estados Unidos, acompanhando dos mesmos navios integrando um Grupo-Tarefa sob o comando do Almirante Duarte Huet de Bacelar Pinto Guedes. Foram escalados os portos de Recife, Barbados, St. Thomas, Hampton Roads, Norfolk, New York, Belém e Natal.

1908 - Em abril, transportou de Montevideo para o Rio de Janeiro os restos mortais do Almirante Francisco Manuel Barroso.

1909 - Em 5 de maio, chegou a Santos, capitaneando uma Divisão Naval composta pelo Cruzador Torpedeiro Tupy, e os Contratorpedeiros Pará - CT 2 e Piauí - CT 3. Conduzia a bordo o Presidente da Republica, Afonso Augusto Moreira Pena; o Ministro da Marinha, Almirante Alexandrino de Alencar; o Ministro da Guerra Marechal Hermes da Fonseca e demais autoridades em visita oficial a cidade, onde foi inaugurada nessa data a Escola de Aprendizes Marinheiros de Santos.
1913 - Em 3 de janeiro, foi docado no Dique Guanabara do AMRJ na Ilha das Cobras.
Em 19 de maio, zarpou do Rio de Janeiro em Divisão com os Cruzadores-Torpedeiro Tupy e Tamoyo, em comissão ao sul, escalando em Buenos Aires de 24 a 27 de maio, em Montevideo de 28 de maio a 3 de junho, em Santa Catarina de 5 a 9 de junho, retornando ao Rio de Janeiro em 11 de junho. A Divisão, entrou a barra acompanhada pelos CT Amazonas, Alagoas, Santa Catarina, e Piauhy, que saiu no mesmo dia para receber as duas Divisões na chegada ao Rio de Janeiro. Todos esses navios entraram em formação em postos de continência a estatua do Almirante Barroso.
Em 12 de setembro, zarpou do Rio de Janeiro para exercícios com a Esquadra na Ilha de São Sebastião. Participaram do exercício, que foi assistido pelo Presidente da Republica, pelo Ministro da Marinha e comitiva, a bordo do Vapor Carlos Gomes, os E Minas Geraes, São Paulo, Floriano e Deodoro, os C Bahia e Rio Grande do Sul, os Cruzadores-Torpedeiros Tupy, Tamoyo e Tymbira, os CT Amazonas, Pará, Piauhy, Rio Grande do Norte, Alagoas, Parahyba, Sergipe, Paraná, e o Santa Catarina. Regressou ao Rio de Janeiro em 12 de outubro, tendo estado em Santos.
Entre 25 de outubro e 10 de dezembro, foi docado no Dique Guanabara da Ilha das Cobras, para substituição de 60 filhos de latão do fundo.
Em inspeção realizada nesse ano no Barroso, foram constatadas às más condições da pólvora empregada.

1914 - Na primeira quinzena de janeiro, suspendeu do Rio de Janeiro, integrando a 3ª Divisão Naval junto com os C.T. Tamoyo, Tymbira e Tupy para exercícios com a Esquadra no litoral de Santa Catarina.

Na segunda quinzena de fevereiro retornou ao Rio de Janeiro, junto com a 3ª Divisão Naval.

1927 - Sob o comando do CF Nogueira da Gama e a serviço da Diretoria de Navegação, realizou o Levantamento do porto de Vitória.

1929 - Iniciou a Triangulação da Baía da Ilha Grande, concluída em 1930.

1931 - Após 35 anos de serviço, foi submetido a Mostra de Desarmamento. Tambem serviu como Quartel de Marinheiros.

Os canhões Armstrong de 120 mm e Nordenfelt de 57 mm do Cruzador Barroso, foram instalados em Forte de Coimbra no Moto Grosso, na reforma ali ocorrida em 1907.

Entidade custodiadora

Procedência

Cruzador Barroso, 1896-1931

Âmbito e conteúdo

Documentos relacionados ao Cruzador Barroso, 1896-1931

Avaliação, selecção e eliminação

Ingressos adicionais

Sistema de arranjo

Condições de acesso

Livre

Condiçoes de reprodução

Sem restrição mediante preenchimento de termo de compromisso.

Idioma do material

  • português do Brasil

Script do material

Notas ao idioma e script

Características físicas e requisitos técnicos

Instrumentos de descrição

Existência e localização de originais

Existência e localização de cópias

Unidades de descrição relacionadas

Descrições relacionadas

Identificador(es) alternativos

Pontos de acesso de assunto

Pontos de acesso local

Ponto de acesso nome

Pontos de acesso de gênero

Identificador da descrição

Identificador da instituição

Regras ou convenções utilizadas

Status

Preliminar

Nível de detalhamento

Parcial

Datas de criação, revisão, eliminação

12/06/2018

Idioma(s)

Sistema(s) de escrita(s)

Fontes

Nota do arquivista

Inserido por CB-AD Leticia Chagas

Zona da incorporação

Assuntos relacionados

Pessoas e organizações relacionadas

Gêneros relacionados

Lugares relacionados