Fundo CVJACE - Corveta Jaceguai

Código de referência

RJDPHDM CVJACE

Título

Corveta Jaceguai

Data(s)

  • 02/04/1991 (Produção)

Nível de descrição

Fundo

Dimensão e suporte

Suporte papel: A4
Suporte digital: .PDF

Nome do produtor

(02/04/1991)

História administrativa

A Corveta Jaceguai - V 31, ex-Almirante Jaceguai, é o terceiro navio a ostentar esse nome na Marinha do Brasil, em homenagem ao Almirante Arthur Silveira da Mota, o Barão de Jaceguai. A Jaceguai é a segunda unidade de uma série de 4 corvetas da classe Inhaúma. Foi autorizada em novembro de 1981 e o contrato foi assinado em 15 de fevereiro de 1982, sendo construída no AMRJ - Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro, Ilha das Cobras, Rio de Janeiro. Teve sua quilha batida em 15 de outubro de 1984, em cerimônia presidida pelo Ministro da Marinha, Almirante-de-Esquadra Alfredo Karam, foi lançada e batizada em 8 de junho de 1987, em cerimônia presidida pelo Ministro da Marinha, Almirante-de-Esquadra Henrique Sabóia, tendo como madrinha a Sra. Ruth Lair Rist Rademaker. Depois de realizar as provas de mar, foi submetida a Mostra de Armamento e incorporada em 2 de abril de 1991, em cerimônia presidida pelo Chefe do Estado-Maior da Armada, Almirante-de-Esquadra Renato de Miranda Monteiro. Naquela ocasião, assumiu o comando o Capitão-de-Fragata Afonso Barbosa.
1990
Em 21 de dezembro, realizou sua primeira saída para o mar.
1991

O navio ficou subordinado à Diretoria-Geral de Material da Marinha, até que completou a integração dos seus sistemas, passando no ano seguinte a subordinação do Comando de Operações Navais.

Em 11 de abril, recebeu a visita de uma comitiva composta por dez deputados-federais.

Em 17 de outubro, ocorreu o primeiro encontro no mar com a Cv Inhaúma - V 30, também construída no Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro. A Jaceguai realizava experiência de máquinas e adestramento da tripulação, enquanto na Inhaúma prosseguiam os testes finais de aceitação do sistema de armas.

Em 8 de novembro, recebeu a visita do Presidente da Republica, Fernando Collor de Mello.

1992

Nos meses de janeiro e fevereiro, continuou realizando os testes de armamento e máquinas. Nesse mesmo período foi realizado a qualificação para operações aéreas com um helicóptero SAH-11 Lynx.

Em 14 de fevereiro esteve em Santos pela primeira vez. Estava acompanhada do S Amazonas - S 16 que prestava apoio na avaliação dos sistemas de armas e sensores de GAS (Guerra Anti-Submarino).

Passou da subordinação a DGMM para o Comando de Operações Navais, atingindo a fase III de adestramento.

Entre 7 e 9 de agosto esteve em Santos-SP junto com a Cv Inhaúma - V 30. Essa foi a primeira vez que duas unidades dessa classe estiveram juntas no porto paulista.

Em 10 de agosto, foi incorporada ao 1º Esquadrão de Contratorpedeiros (ComEsqdCT-1), que então, era formado, também, pelos Contratorpedeiros Marcilio Dias - D 25, Pará - D 27, Paraná - D 29, Sergipe - D 35 e Rio Grande do Norte - D 37.

Entre 12 e 14 de dezembro, esteve em Santos-SP, onde junto com a F Independência - F 44 (capitânia), o CT Mariz e Barros - D 26, S Tupi - S 30 e o NDD Ceará - G 30, que haviam acabado de participar da Operação DRAGÃO XXVIII, tomou parte das comemorações do Dia do Marinheiro. A Jaceguai encontrava-se em fase de testes de mar.Atingiu a marca de 75 dias de mar.

1993

Em março, participou da Operação TROPICALEX-I/93, junto com o NDD Rio de Janeiro - G 31, as F Niterói - F 40, Constituição - F 42, Independência - F 44 e União - F 45, CT Marcilio Dias - D 25, Mariz e Barros - D 26, Pará - D 27 e Paraíba - D 28, S Humaitá - S 20 e o NT Alte. Gastão Motta - G 23. Essa foi a primeira comissão da Jaceguai com a Esquadra.

Em março, já havia atingido a marca de 100 dias de mar.

Em agosto, participou da Operação TROPICALEX-II/93, realizada na área marítima entre o Rio de Janeiro e a Bahia. A operação contou com a participação do Rio de Janeiro - G 30, União - F 45, Paraíba - D 28, Jaceguai - V 31, Tupi - S 30, entre outros navios.

Em setembro, durante a Operação TEMPEREX/PRATEX 03, a Jaceguai, juntamente com o NDD Ceara - G 30 e o S Tupi - S 30, visitou, pela primeira vez, o porto de Buenos Aires (Argentina). O navio recebeu a bordo 1.536 visitantes.

1994

Em 31 de janeiro, encontrava-se incorporado ao 1º Esquadrão de Contratorpedeiros (ComEsqdCT-1), que então, completava 41 anos de sua criação e era formado, também, pelos Contratorpedeiros Marcílio Dias - D 25, Pará - D 27, Paraná - D 29, Sergipe - D 35 e Rio Grande do Norte - D 37.

Em 4 de março, passou a subordinação do Comando do 1º Esquadrão de Corvetas da Força de Superfície, criado na mesma data.

Em julho, realizou exercício na área marítima entre o Rio de Janeiro e São Paulo, integrando, um GT composto também pela F Niterói - F 40, CT Pernambuco - D 30 e o NtrT Ary Parreiras - G 21. Acompanharam a operação o ComenCh, VA Sérgio Florêncio Chagasteles, o CEMA, VA Ricardo Antônio da Veiga Cabral e o ComForAp, CA Ayrton Ronaldo Longo. Entre os dias 22 e 27 foi visitado o porto de Santos-SP.

Entre 3 e 11 de novembro, integrou o Grupo-Tarefa brasileiro que participou da Operação FRATERNO XIV, realizada em águas argentinas. Além da Jaceguai integravam o GT, sob o Comando do ComEsqCT-1, o NAel Minas Gerais - A 11 (capitania), o CT Pernambuco - D 30, a F Defensora - F 41 e o S Tupi - S 30. Participaram desse exercício pela Armada Argentina a F ARA Almirante Brown - D 10, e as Cv ARA Granville - F 33 e ARA Parker - F 44 e ARA Santa Cruz - S 41. Foram visitados os portos de Puerto Belgrano e Mar del Plata.

1995

Em 23 de abril, suspendeu do Rio de Janeiro, integrando Grupo-Tarefa com a F Independência - F 44 e o NT Almirante Gastão Motta - G 23, com destino a Mar del Plata (Argentina), de onde, no dia 30, prosseguiu para a África do Sul em companhia das Corvetas argentinas ARA Espora - P 41 e ARA Parker - P 44. Em 2 de maio, a Fragata uruguaia ROU Uruguay - ROU 1, juntou-se a Força-tarefa. Na travessia, realizou-se exercícios preparativos para a Operação e diversas fainas de reabastecimento, algumas em condições meteorológicas adversas. A partir do dia 14 de maio, com o encontro no mar com o GT sul-africano, teve inicio a Operação ATRASUR II, que se desenvolveu até 24 de maio. Foram visitado os portos de Mar del Plata (Uruguai), Simon's Town e Capetown (África do Sul).

Entre 24 de abril e 16 de maio, participou da Operação ADEREX-I/95, que foi realizada na área marítima compreendida entre os estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo, integrando Força-Tarefa composta pelos CT Mariz e Barros – D 26, Pará – D 27, Paraíba – D 28, Paraná – D 29 e Rio Grande do Norte – D 37, Cv Inhaúma – V 30 e Jaceguai – V 31, NO Belmonte – G 24 e o S Tupi – S 30. Foram visitados os portos de Santos (de 28/04 a 02/05) e Vitória (05 a 08/05).

Em setembro participou de exercícios da Esquadra, sob o comando do ComemCh, VA Carlos Edmundo de Lacerda Freire, do qual tomaram parte o NAeL Minas Gerais – A 11 os CT Mariz e Barros – D 26, Pará – D 27, Paraíba – D 28 e Paraná – D 29, F Niterói – F 40, Liberal – F 43, Independência – F 44 e União – F 45, Cv Inhaúma – V 30 e Jaceguai – V 31, S Humaitá – S 20 e Riachuelo – S 22, NT Marajó – G 27 e o NA Trindade – U 16. Esteve em Santos entre os dias 15 e 18.

Entre 10 e 13 de novembro, esteve em Santos-SP junto com os CT Pará - D 27, Paraíba - D 28 e Paraná - D 29, as Cv Inhaúma - V 30 e Frontin - V 33 e o NV Abrolhos - M 19.

1996

Em 4 de março, passou a subordinação do Comando do 1º Esquadrão de Corvetas, criado na mesma data.

Entre 30 de agosto e 1º de setembro, esteve em Santos, junto com o CT Paraíba - D 28, a Cv Frontin - V 33, o S Riachuelo - S 22, os RbAM Almirante Guillobel - R 25 e Tridente - R 22, o NA Trindade - U 16 e o NPa Gurupá - P 46.

Em 24 de outubro, em transito de Salvador para o Rio de Janeiro, a 250 milhas de Porto Seguro-BA, prestou socorro a um tripulante enfermo do B/P "Josmaru", de bandeira espanhola. Depois dos primeiros atendimentos, a bordo, foi removido por helicóptero para Vitória-ES.

1997

Entre 21 de setembro e 15 de novembro, participou da Operação UNITAS XXXVIII, realizada em águas argentinas, uruguaias e brasileiras. O Grupo-Tarefa brasileiro, sob o comando da 2ª Divisão da Esquadra foi formado além da Jaceguai, pelas F Independência - F 44 e União - F 45, CT Paraná - D 29, NT Marajó - G 27 e Almirante Gastão Motta - G 23 e o S Tamoio - S 31. O nosso GT foi integrado a FT-138, composta também por unidades dos EUA, Argentina, Uruguai, Espanha e Canadá. Foram visitados os portos de Buenos Aires (Argentina), Montevideo (Uruguai), Rio de Janeiro-RJ e Recife-PE.

1999

Durante a LAD/99, a Jaceguai recebeu representantes de órgãos afetos a Política de Defesa da Argentina, Itália e Namíbia em visita promovida pela ENGEPROM. Também foi visitada pelo Vice-Almirante Hans Lüssow, Inspetor da Marinha Alemã e comitiva.

Entre 29 de abril e 11 de maio, foi realizada a Operação ATLASUR IV, sendo essa a primeira edição realizada na costa brasileira. Além da Jaceguai e da F União – F 45, participaram da ATLASUR IV as Corvetas argentinas ARA Parker – F 44 e ARA Rosales – F 42, a Fragata uruguaia ROU Montevideo – ROU 3 e pela África do Sul o Navio de Apoio Logístico SAS Drakensberg – A 301 e as Lanchas Lança-Misseis SAS Adam Kok – P 1563 e SAS Rene Sethren – P 1566.
No dia 19 d julho o navio realizou exercício de reboque com o RbAM Triunfo - R 23, em apoio ao Curso Expedito de Socorro e Salvamento do Centro de Adestramento Almirante Marques de Leão (CAAML).

2000

Recebeu o protótipo do sistema de MAGE ET/SLR-1 "Defensor", que foi transferido da F Defensora - F 41. Ainda nesse ano o protótipo foi transferido para a Cv Frontin - V 33.

Entre 8 e 17 de fevereiro, participou da Operação ADEREX-I/00, realizada na área compreendida entre Rio de Janeiro e Santos. Integrou o GT 802.1, formado pela 2ª Divisão da Esquadra, e que incluía também a F Defensora – F 41 (capitânia), F União - F 45, F Greenhalgh – F 46 e a Cv Jaceguai - V 31. Também participaram do exercício, prestando apoio, o S Timbira, RbAM Almirante Guillobel e o NPa Gurupi, além de aeronaves da MB e da FAB.

Em abril, participou da Operação VENBRAS 2000, formando o GT 804.4, sob o comando do 2º Esquadrão de Fragatas, junto com a F Greenhalgh - F 46 e o S Timbira - S 32. Pela Armada da Venezuela participaram a F ARV Almirante Garcia - F 26 e o NDCC ARV Esequibo - T 62, compondo o GT 804.5. Foi realizada na área marítima entre Recife-PE e Rio de Janeiro.

Em 30 de abril, participou da Parada Naval dos 500 Anos do Descobrimento do Brasil. Participaram também dessa Parada, as F Rademaker - F 49, Bosisio - F 48, Defensora - F 41, Independência - F 44 e União - F 45, CT Paraná - D 29, S Tonelero - S 21, NDCC Mattoso Maia - G 28, NOc Antares - H 40, NVe Cisne Branco - U 20 e o Navio Museu Laurindo Pitta. As unidades estrangeiras que participaram, foram NOc SAS Protea - A 324, da África do Sul; Cv ARA Spiro - P 43, da Argentina; F SMS Victoria - F 82, da Espanha; F USS Estocin - FFG 15, dos EUA; F HrMS Van Speijk - F 828, da Holanda; NE ORP Wodnik - 251, da Polônia; NE NRP Sagres - A 520, de Portugal; CT HMS Southampton - D 90 e NT RFA Grey Rover - A 269, do Reino Unido; NE ROU Capitan Miranda - 20, do Uruguai; e a F ARV Almirante José García - F 26, e o NDCC ARV Esequibo - T 62, da Venezuela.
Participou da Operação TROPICALEX/APRESTEX 00, realizada na área marítima entre o Rio de Janeiro e Natal, integrando a FT 803, formada pela 2ª Divisão da Esquadra, sob o Comando do ComemCh. Também integravam a FT 803, as F Niterói - F 40, Defensora - F 41, Greenhalgh - F 46, Rademaker - F 49; NDD Rio de Janeiro - G 31; CT Paraná - D 29 e os NT Marajó - G 27 e Almirante Gastão Motta - G 23. O S Timbira - S 31, navios do 1º, 2º e 3º DN e aeronaves da FAB apoiaram a Operação. Foram visitados os portos de Salvador-BA, Recife-PE, Cabedelo-PB, Natal-RN e Maceió-AL.

2001

Em 31 de janeiro, passou a subordinação do Comando do 1º Esquadrão de Escolta (ComEsqdE-1), criado pelo Decreto n.º 3682 de 06/12/2000.

2003

Recebeu o segundo sistema de MAGE ET/SLR-1 Defensor.

2004

Em 31 de agosto, iniciou inspeção de segurança conduzida pela mesma equipe da CIAsA do CAAML, que havia acabado de realizar a inspeção e adestramento da guarnição da Cv N.S. LT GEN Dimo Hamaambo - C 11, da Marinha da Namíbia.

Em dezembro, realizou os testes no mar do segundo sistema de MAGE ET/SLR-1 Defensor, instalado em navio da Esquadra.

2005

Nos dias 11 e 16 de fevereiro, foi submetida a VSA pela SIPAA-ForSup (Seção de Investigação de Prevenção de Acidentes do Comando da Força de Superfície).

Entre 16 e 19 de agosto, participou da Operação Combinada MARACAJÚ IV, na Bacia de Campos, coordenada pelo COMDABRA (Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro). Participaram elementos da 1ª BdaAAé (Guarujá-SP) e da 1ª CIA, além de aeronaves AF-1 Skyhawk, A-1A AMX, F-5E Tiger II, R-99A, KC-137, KC-130 Hercules.

Entre 20 e 28 de setembro, integrando GT com as F Defensora - F 41 (capitânia), Liberal - F 43, Independência - F 44 e Greenhalgh - F 46, o CT Pará - D 27, a Cv Inhaúma - V 30, o NT Marajó - G 27 e o S Tupi - S 30, participou da Operação MISSEX-05, quando foi afundado em alto-mar, ao largo da costa do Rio de Janeiro, o casco do ex-NTrT Soares Dutra - G 22, que depois de receber um míssil Exocet MM-40 disparado pela F Greenhalgh - F 46, disparos de canhão dos navios do GT, foi finalmente posto a pique por uma esquadrilha de caças A-1 AMX. Foi visitado o porto de Santos-SP.
Em 16 de outubro, participou da Parada Naval ao longo da orla do Rio de Janeiro, como parte das comemorações dos 183 anos da criação da Esquadra brasileira, junto com a F Rademaker – F 49, Bosísio – F 48, Niterói – F 40, Defensora – F 41, Liberal – F 43 e Independência – F 44, as Cv Júlio de Noronha – V 32, Frontin – V 33, e o CT Pará – D 27, além de vários helicópteros da ForAerNav.

Entre 21 e 30 de outubro, Participou da Operação UNITAS XLVII, realizada em águas brasileiras entre o Rio de Janeiro e São Paulo, integrando a Força-Tarefa 138 sob o comando do CA Dave Costa, Comandante do 6º Esquadrão de Contratorpedeiros. Participaram também a F Rademaker – F 49 e Independência – F 44 e S Tapajó – S 33, pela MB, o CT USS Ross – DDG 71 e F USS Samuel B. Roberts – FFG 58, pela USN; a F ARA Almirante Brown - D 10, Cv ARA Robinson - P 45 e o S ARA Santa Cruz, pela ARA; a F SPS Santa Maria – F 81 e o NT SPS Marques de La Ensenada – A 11, pela Armada Espanhola e o NApLog ROU Artigas – ROU 4; pela Armada Uruguaia. Também participaram aeronaves P 95 do 1º/7º GAv e A-1 AMX do 1º/16º GAv e foram realizados exercícios de guerra eletrônica com um Invader Jack/Leajet 35, operado pela firma Flight International, sob contrato da USN. Essa aeronave simula um grande numero de perfis de vôo e emissões de jatos de ataque e mísseis de cruzeiro.
Nos dia 7 e 8 de dezembro, esteve em Santos-SP, acompanhado da F Independência - F 44.

Em dezembro, participou da Operação Combinada LEÃO II, realizada na área entre o Rio de Janeiro e o Espírito Santo, com unidades do Exercito e da Força Aérea, integrando uma Força-Tarefa composta também pelos NDD Ceará - G 30 e Rio de Janeiro - G 31, NDCC Mattoso Maia - G 28, NTrT Ary Parreiras - G 21, F Independência - F 44, Defensora - F 41 e Niterói - F 40, NE Brasil - U 27, RbAM Almirante Guillobel - R 25 e o NPa Gurupi - P 47, além de duas EDCG e diversas embarcações de desembarque. Participaram ainda uma UAnf do CFN e várias aeronaves da ForAerNav.

2006

Entre 16 de janeiro e 2 de fevereiro, participou da Operação ASPIRANTEX-06, sob comando do CA Sérgio Antonio da Conceição Freitas, Comandante da 1ª Divisão da Esquadra, e foi realizada na área marítima entre o Rio de Janeiro e a Bahia. Primeiro grande exercício da Esquadra no ano, foi mais uma vez realizado com o intuito de manter o aprestamento das forças navais e proporcionar treinamento no mar para aspirantes da Escola Naval e dos oficiais-alunos da Escola de Formação de Oficiais da Marinha Mercante. Também fizeram parte do Grupo-Tarefa as F Niterói – F 40, Defensora – F 41 e Rademaker – F 49; o NDD Rio de Janeiro – G 31; o NDCC Mattoso Maia – G 28; o NTrT Ary Parreiras – G 21; o NT Marajó – G 27; os S Tamoio – S 31 e Tupi – S 30; e diversas aeronaves da ForAerNav. Além dos meios da Esquadra, participaram, também, o RbAM Tridente – R 22 e o NPa Guaporé – P 45, ambos do 1º Distrito Naval, e aeronaves P-95A Bandeirulha do 4º/7º GAv e A-1 AMX do 1º/16º GAv, da Força Aérea Brasileira. Os navios estiveram nos portos de Salvador-BA, entre 20 e 24 de janeiro, e em Vitória-ES, de 27 a 30 de janeiro.

Entre 15 e 23 de março, participou da Operação ADEREX-I/06 em Grupo-Tarefa sob o comando do ComemCh, VA Álvaro Luiz Pinto e a coordenação do ComDiv2. O GT foi formado pelas F Niterói – F 40, Independência – F 44 e Bosisio – F 48, CT Pará – D 27, Cv Frontin – V 33, e o NT Marajó – G 27. Também participaram da comissão o S Tupi – S 30, como força de oposição (OPFOR), o RbAM Tridente – R 22, e aeronaves da ForAerNav e da FAB, além de um destacamento do GRUMEC. Foi visitado o porto de Vitória-ES.

Participou da Operação TROPICALEX-I/06, realizada no período de 1º de maio a 1º de junho ao longo do litoral das regiões Nordeste e Sudeste, integrando o Grupo-Tarefa 705.1 composto pelas F Bosisio - F 48, Greenhalgh - F 46, Rademaker - F 49, Niterói - F 40 e Independência - F 44; Cv Frontin - V 33; CT Pará - D 27; NT Marajó - G 27 e Almirante Gastão Motta - G 23; NDD Rio de Janeiro - G 31; NDCC Mattoso Maia - G 28 e os S Tamoio - S 31 e Tapajó - S 33. A operação contou com o apoio do NSS Felinto Perry - K 11 e com a participação dos seguintes navios distritais: RbAM Tridente - R 22 e NPa Gurupi - P 47 do 1º DN; Cv Caboclo - V 19, NPa Guaratuba - P 50 e Gravataí - P 51 e NV Atalaia - M 17, Araçatuba - M 18, Abrolhos - M 19 e Albardão - M 20, do 2º DN e o RbAM Trindade - R 26 e os NPa Grajaú - P 40, Goiana - P 43 e Graúna - P 42 do 3º DN. Também participaram aeronaves da ForAerNav e da FAB. Visitou o porto de Recife-PE.

Em junho, recebeu a visita dos participantes do XXV Encontro dos Centros de Guerra Eletrônica das Forças Armadas (XXV ECGE-FFAA), realizado neste ano sob a coordenação do Centro de Apoio a Sistemas Operativos (CASOP).

Na conclusão da ADEREX-I/06, a F Independência - F 44, a Cv Jaceguaí - V 31 e o NT Marajó - G 27, se destacaram do GT para realizar um exercício PASSEX com o PH Jeanne D'Arc - R 97 e a F Georges Leygues - D 640, ao largo do Rio de Janeiro.
2007

Em setembro participou da Operação ALBACORA, que também envolveram forças do Exército e da Força Aérea sob coordenação do Ministério da Defesa. A Força-Tarefa que participou da Operação era composta pelos NDD Ceará – G 30 e Rio de Janeiro – G 31, o NDCC Mattoso Maia – G 28, o NTrT Ary Parreiras – G 21, as Cv Inhaúma – V 30 e Jaceguai – V 31, além de unidades aeronavais e de fuzileiros navais.
2008

Retornou ao setor operativo depois de um Período de Manutenção.

Entre 24 e 27 de outubro, esteve no porto de Santos-SP.

2009

No período de 8 a 31 de janeiro de 2009, participou da Operação ASPIRANTEX-09, realizada na área marítima compreendida entre o Rio de Janeiro e Fortaleza, que contou com a participação das F Niterói - F 40, Defensora - F 41 e Liberal - F 43, das Cv Inhaúma – V 30 e Jaceguai – V 31, do NDD Rio de Janeiro - G 31, do NTrT Ary Parreiras - G 21. Foram visitados os portos de Fortaleza-CE e Salvador-BA.

Nos dias 18 e 19 de março, o Esquadrão HS-1 (1° Esquadrão de Helicópteros Anti-Submarino), juntamente com a Corveta Jaceguai, realizou adestramento dos procedimentos para HIFR (Helicopter In-Flight Refueling) nas proximidades da Ilha de Cabo Frio. Este tipo de procedimento operativo é realizado quando há intenção de aumentar a autonomia da aeronave na cena de ação e não há convoo que possibilite o pouso, sendo o abastecimento feito com a aeronave em voo nas proximidades da área de transferência do navio.

Entre 30 de março e 7 de abril, participou da Operação ADEREX-I/09, realizada na área marítima entre o Rio de Janeiro e Santos, junto com às F Liberal - F 43 (capitânia) e Bosisio - F 48; Cv Inhaúma - V 30 e Frontin - V 33, NT Almirante Gastão Motta - G 23, S Tupi - S 30 e NSS Felinto Perry - K 11, além de aeronaves do 1º Esquadrão de Helicópteros de Esclarecimento e Ataque, dos 1º e 2º Esquadrões de Helicópteros de Emprego Geral, do 1º Esquadrão de Helicópteros Anti-Submarino e do 1º Esquadrão de Aviões de Interceptação e Ataque. Os navios formavam o GT-703.1, sob o comando do Comandante-em-Chefe da Esquadra, Vice-Almirante Fernando Eduardo Studart Wiemer. Também estavam embarcados o Contra-Almirante Ilques Barbosa Junior, Comandante da 2ª Divisão da Esquadra e o Contra-Almirante Dilermando Ribeiro Lima, Chefe do Estado-Maior da Esquadra. Entre os dias 3 e 6 de abril foi visitado o porto de Santos-SP.

No inicio de junho participou das buscas aos destroços e as vitimas do acidente ocorrido com o vôo AF-447 da Air France, a 1.100 km a nordeste de Natal-RN (SAR SNE 003/2009).

Participou da Operação ADEREX-II/09 que aconteceu no período de 27 de julho a 6 de agosto de 2009, na área marítima compreendida entre o Rio de Janeiro-RJ e Vitória-ES, sob o comando do CA Ilques Barbosa Junior, Comandante da 2ª Divisão da Esquadra, embarcado na Fragata Defensora. Integrou o Grupo-Tarefa 707.1, constituído pelas F Defensora – F 41 e Bosísio – F 48, as Cv Jaceguai – V 31 e Frontin – V 33 e o NT Almirante Gastão Motta – G 23. Da operação ainda participaram os S Tamoio – S 31 e Timbira – S 32, o NPa Gurupá – P 46, o RbAM Tridente – R 22, embarcações da CPRJ e da CPES, helicópteros UH- 12/13 Esquilo, AH-11A Super Lynx, UH-14 Super Puma e SH-3A Sea King, além de aviões de interceptação e ataque AF-1 Skyhawk, mergulhadores de combate, assim como aviões de patrulha P-95 e de ataque AMX – A1 da Força Aérea Brasileira (FAB). Também participou o N/T "Nilza" da TRANSPETRO durante o exercício contra ameaças assimétricas com a participação do GruMEC e foi realizado exercício de tiro antiaéreo sobre Drone em proveito da Avaliação Operacional da Fragata Defensora. Foi visitado o porto de Vitória entre os dias 1º e 4 de agosto.

No dia 31 de julho, participou com as F Defensora – F 41 e Bosísio – F 48, a Cv Frontin – V 33 e o NT Almirante Gastão Motta – G 23, outros meios da Esquadra e da DHN, de um Desfile Naval alusivo à chegada ao Rio de Janeiro do NDCC Almirante Sabóia – G 25, incorporado à Esquadra no dia 6 de agosto.

Em 22 de setembro, suspendeu do Rio de Janeiro junto com a F Independência - F 44, a Cv Frontin - V 33, NDD Rio de Janeiro - G 31 e o S Timbira - S 32 para participar da Operação FRATERNO XXVIII. Entre 26 e 29 de setembro esteve no porto de Rio Grande.
A FRATERNO XXVIII, era programada para ser desenvolvida até o dia 21 de outubro, mas foi suspensa na ultima hora, quando o governo argentino cancelou a participação da ARA. Os nossos navios voltaram para sua sede, escalando em Santos entre 2 e 4 de outubro. Foram realizados exercícios no transito de ida e volta com os NPa Guajará - P 44 e Babitonga - P 63, o RbAM Tritão - R 21.
Pela Marine Nationale participaram o Navio-Escola Jeanne d’Arc - R 97 e a Fragata Courbet - F 712. Essa foi a 44ª e ultima VIGM do Jeanne d’Arc antes de sua baixa do serviço na Marine Nationale.

Participou da Operação ASPIRANTEX-10.

Na manhã de 4 de março, participou junto com as F Niterói - F 40, Constituição - F 42 e Independência - F 44, NHi Antares - H 40, NT Almirante Gastão Motta - G 23, RbAM Alte Guilhobel - R 25 e os S Timbira - S 32, Tapajó - S 33 e Tikuna - S 34, de uma Parada Naval no Rio de Janeiro, por ocasião da despedida do serviço ativo na Marinha do VA Álvaro Luiz Pinto (CEMA) e que contou com a presença do VA Eduardo Monteiro Lopes (ComemCh), ambos a bordo da F Liberal.

Entre 19 e 22 de março esteve em Santos-SP.

Participou da Operação FRATERNO XXVIII realizada entre 27 de maio e 6 de junho na área marítima entre Buenos Aires e Rio Grande.

O GT brasileiro foi comandado pelo CA Luiz Henrique Caroli, Comandante da 2ª Divisão da Esquadra e o GT argentino pelo CN Fernando Luis Beccaria. O GT brasileiro na operação foi composto pela Constituição - F 42 (capitanêa), Jaceguai - V 31 e os helicópteros Super Lynx (AH-11A) e Esquilo (UH-12/13). Além destes meios, o S Tikuna - S 34, o NPa Benevente - P 61 e o RbAM Tritão - R 21, estes dois últimos do Comando do 5° Distrito Naval, apoiaram os exercícios. O GT argentino foi composto pelos ARA Sarandi - D 13, ARA Robinson - F 45 e ARA Patagônia - B 1, mais um helicóptero Fennec (AS-555) e um Alouette (AI-03). A Força Aérea Brasileira (FAB) participou da operação empregando uma aeronave Bandeirante para patrulha marítima (P-95B) e dois caças táticos de defesa aérea e ataque ao solo (F-5). Os dois GTs estiveram em Rio Grande de 3 a 6 de junho.

Tomou parte na Operação ADEREX-II/2010 que foi realizada no período de 16 a 25 de novembro na área marítima compreendida entre o Rio de Janeiro e Santos. O Grupo-Tarefa foi constituído pelas F Niterói – F 40, Constituição – F 42, Independência – F 44 e Bosisio – F 48; Cv Jaceguai – V 31 e Frontin – V 33; NT Almirante Gastão Motta – G 23; NDD Rio de Janeiro – G 31; e NDCC Almirante Sabóia – G 25. Participaram, ainda, os S Tamoio – S 31 e Timbira – S 32; embarcações das Capitanias dos Portos do Rio de Janeiro e de São Paulo; helicópteros UH-12/13 Esquilo, AH-11A Super Lynx e SH-3 A/B Sea King; aviões de interceptação e ataque AF-1 Skyhawk; além de aviões de patrulha P-95 Bandeirulha e de ataque A-29 Super Tucano, da Força Aérea Brasileira (FAB). Foi visitado o porto de Santos entre os dias 19 e 22 de novembro.

2011

Entre 25 e 28 de fevereiro, esteve em Santos-SP.

Entre 30 de abril e 2 de maio, esteve em Santos-SP. Na manhã do dia 2 demandando o canal de saída do Porto de Santos o navio teve problemas técnicos e voltou a atracar, suspendendo novamente por volta das 20:00hs.
Esteve em Santos de 12 a 14 de agosto (domingo), quando suspendeu ainda no período da manhã

Entidade custodiadora

Procedência

Corveta Jaceguai.

Âmbito e conteúdo

Documentos relacionados a Corveta Jaceguai

Avaliação, selecção e eliminação

Ingressos adicionais

Sistema de arranjo

Condições de acesso

Livre

Condiçoes de reprodução

Sem restrição

Idioma do material

  • português do Brasil

Script do material

Notas ao idioma e script

Características físicas e requisitos técnicos

Instrumentos de descrição

Existência e localização de originais

Existência e localização de cópias

Unidades de descrição relacionadas

Descrições relacionadas

Identificador(es) alternativos

Pontos de acesso de assunto

Pontos de acesso local

Ponto de acesso nome

Pontos de acesso de gênero

Identificador da descrição

Identificador da instituição

Regras ou convenções utilizadas

Status

Final

Nível de detalhamento

Parcial

Datas de criação, revisão, eliminação

21/11/2013

Idioma(s)

Sistema(s) de escrita(s)

Fontes

Zona da incorporação

Assuntos relacionados

Pessoas e organizações relacionadas

Gêneros relacionados

Lugares relacionados