Fundo CVINHA - Corveta Inhaúma

Código de referência

RJDPHDM CVINHA

Título

Corveta Inhaúma

Data(s)

  • 12/12/1989 (Produção)

Nível de descrição

Fundo

Dimensão e suporte

Suporte papel: A4
Suporte digital: .PDF

Nome do produtor

(12/12/1989)

História administrativa

A Corveta Inhaúma - V 30, ex-Almirante Inhaúma, é o segundo navio a ostentar esse nome na Marinha do Brasil, em homenagem ao Almirante Joaquim José Inácio, o Visconde de Inhaúma. A Inhaúma é a primeira unidade de uma série de 4 corvetas da mesma classe. Foi autorizada em novembro de 1981 e o contrato foi assinado em 15 de fevereiro de 1982, sendo construída no AMRJ - Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro, Ilha das Cobras, Rio de Janeiro. Teve sua quilha batida em 23 de setembro de 1983, foi batizada e lançada às 14:00h do dia 13 de dezembro de 1986, tendo como madrinha a Primeira Dama Sra. Marly Macieira Sarney, em cerimônia presidida pelo Presidente da República José Sarney, que contou com a presença do Ministro da Marinha, Almirante-de-Esquadra Henrique Sabóia. Durante o lançamento o navio agarrou na carreira, sendo retirado apenas no dia 17 de dezembro. O navio Depois de realizar as provas de mar, foi submetida a Mostra de Armamento e incorporada à Armada em 12 de dezembro de 1989.
1989
Em 31 de julho, com o navio em fase de testes e atracado no AMRJ, recebeu a visita do Ministro da Marinha, AE Henrique Sabóia.

1990

Na manhã do dia 6 de maio, o Presidente da Republica, embarcado no NAeL Minas Gerais, foi homenageado por uma Parada Naval da qual participaram a F Constituição - F 42, CT Alagoas - D 36 e Pará - D 27, NT Marajó - G 27 e o S Tonelero - S 21.

Em 7 de agosto, acompanhada pela F Defensora - F 41, prestou socorro ao M/V "Boj Catalyst", que se encontrava a cerca de 170 milhas do Rio de Janeiro, e teve um tripulante gravemente ferido que foi removido pelo He Lynx N-3023, proveniente da BAeNSPA. O ferido foi transferido para o Hospital Naval Marcilio Dias (HNMD).

Em 14 de setembro, esteve em Santos-SP pela primeira vez.

Em 8 e 9 de dezembro, esteve em Salvador-BA.
1991

Por ocasião do embarque da aeronave Lynx N-3027, para a qualificação da Equipe de Manobra e Crash do navio, o Esquadrão HA-1 completou 20.000 horas de vôo.

Entre 14 e 17 de junho, esteve em Santos-SP, como navio isolado pois ainda estava em fase de testes de aceitação e não havia sido incorporada a Esquadra. A bordo do navio estavam vários técnicos de firmas fornecedoras e da Diretoria de Engenharia Naval. Essa foi a terceira escala do navio no porto paulista, sendo que na oportunidade também estavam na cidade os CT Mariz e Barros - D 26, Rio Grande do Norte - D 37, Espírito Santo - D 38, Pará - D 27 (capitânia) e Pernambuco - D 30 que participavam da Operação ADEREX-II/91, realizada pelo Comando da Força de Contratorpedeiros na área marítima entre Rio e Santos.

Entre 27 e 29 de setembro, esteve em Santos-SP. Essa foi a quarta visita do navio a cidade ainda durante a fase de testes de aceitação.

Em 17 de outubro, ocorreu o primeiro encontro no mar com a Cv Jaceguai, também construída no Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro. A Jaceguai realizava experiência de máquinas e adestramento da tripulação, enquanto na Inhaúma prosseguíamos testes finais de aceitação do sistema de armas.

Em 19 de dezembro, fundeada na Baia de Guanabara nas proximidades da Escola Naval, foi transferida para o Comando de Operações Navais, e na seqüência para o Comando-em-Chefe da Esquadra, em cerimônia presidida pelo Diretor Geral de Material da Marinha, Almirante-de-Esquadra Jelcias Baptista da Silva Castro.

1992

Em 28 de junho, atingiu as marcas de 100 dias de mar e 21.000 milhas navegadas, tendo nesse período realizado as provas de mar, testes de comissionamento e aceitação de equipamentos, testes de integração e aceitação de sistemas e a avaliação operacional, então em andamento.

Entre 7 e 9 de agosto esteve em Santos-SP junto com a Cv Jaceguai. Essa foi a primeira vez que duas unidades dessa classe estiveram juntas no porto paulista.

1993

Deu prosseguimento a sua Avaliação Operacional. Realizou diversas comissões, tendo como destaque, o fato de ter sido o primeiro navio da MB a operar com caças A-1 AMX da Força Aérea, e a primeira unidade da classe a iniciar operações aéreas com helicópteros Lynx.

Inicio-se os planos de atualização das Corvetas da Classe Inhaúma, com a finalidade de construir oito novas unidades melhoradas e que passarão a constituir uma nova classe.
Entre 25 e 28 de junho, esteve em Santos-SP, formando GT com o NDD Rio de Janeiro - G 31 e os CT Mariz e Barros - D 26 e Sergipe - D 35.

Entre 22 e 25 de outubro, esteve em Santos-SP junto com o S Tupí - S 30.

1994

Realizou a comissão ao exterior na Operação NORMANDIA 50, visitando os portos de Rouen e Le Havre (França), participando das Comemorações do Cinqüentenário do Desembarque dos Aliados na Normandia, o Dia D, sendo o primeiro navio da classe a realizar a travessia do Atlântico. O navio recebeu a visita de autoridades civis e militares de diversos paises.

Entre 7 e 9 de agosto esteve em Santos-SP junto com a Cv Jaceguai. Essa foi a primeira vez que duas unidades dessa classe estiveram juntas no porto paulista.

Em novembro, passou pela Inspeção de Eficiência do PAD/CIASA do CAAML.

Entre 11 e 16 de dezembro, integrou a Força-Tarefa TAMANDARÉ formada pela Fragata Independência - F 44, Contratorpedeiros Pará - D 27, Sergipe - D 35 e Espírito Santo - D 38 e a Corveta Inhaúma - V 30, que acompanhou a Fragata Niterói – F 40 que realizou o translado dos restos mortais do Marques de Tamandaré e de sua esposa, a Sra. Maria Eufrásia Marques Lisboa para o Mausoléu erigido em sua homenagem na cidade de Rio Grande. No trajeto os navios escalaram em Santos-SP, Paranaguá-PR, Itajaí-SC e São Jose do Norte-RS. Em 12 de dezembro, durante essa comissão completou cinco anos de sua incorporação, tendo até essa data atingido as marcas de 302 dias de mar e 70.000 milhas navegadas.

1995

Entre 24 de abril e 16 de maio, participou da Operação ADEREX-I/95, que foi realizada na área marítima compreendida entre os estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo, integrando Força-Tarefa composta pelos CT Mariz e Barros – D 26, Pará – D 27, Paraíba – D 28, Paraná – D 29 e Rio Grande do Norte – D 37, Cv Inhaúma – V 30 e Jaceguai – V 31, NO Belmonte – G 24 e o S Tupi – S 30. Foram visitados os portos de Santos (de 28/04 a 02/05) e Vitória (05 a 08/05).

Em setembro participou de exercícios da Esquadra, sob o comando do ComemCh, VA Carlos Edmundo de Lacerda Freire, do qual tomaram parte o NAeL Minas Gerais – A 11 os CT Mariz e Barros – D 26, Pará – D 27, Paraíba – D 28 e Paraná – D 29, F Niterói – F 40, Liberal – F 43, Independência – F 44 e União – F 45, Cv Inhaúma – V 30 e Jaceguai – V 31, S Humaitá – S 20 e Riachuelo – S 22, NT Marajó – G 27 e o NA Trindade – U 16. Esteve em Santos entre os dias 15 e 18.

Entre 10 e 13 de novembro, esteve em Santos-SP junto com os CT Pará - D 27, Paraíba - D 28 e Paraná - D 29, as Cv Jaceguaí - V 31 e Frontin - V 33 e o NV Abrolhos - M 19.

1996

Em 4 de março, passou a subordinação do Comando do 1º Esquadrão de Corvetas da Força de Superficie, criado na mesma data.

Participou da Operação CARIBEX.

Entre 3 e 15 de setembro, participou junto com a F Defensora - F 41 e o NT Almirante Gastão Motta - G 23 da Operação UNITAS XXXVII, realizada em águas argentinas. Também participaram desse exercício pela Armada Argentina as F ARA Almirante Brown - D 10, ARA La Argentina - D 11 e ARA Sarandi - D 13, e pela Marinha dos EUA o CT USS Moosbrugger - DD 980, a F USS John L. Hall - FFG 32 e o NDCC USS La Moure County - LST 1194. Foram visitados os portos de Rio da Plata e Ushuaia.

Em outubro, na seqüência da UNITAS, formando Grupo-Tarefa com a F Independência - F 44, participou da Operação BOGATÚN I, realizada com a Armada do Chile no Oceano Pacifico. Pela Armada participaram o CT Capitán Prat - DDG 11 e o NT Araucano - AOR 52, em GT sob o comando do ComemCh do Chile, Almirante German Goddard Dufeu. Foram visitados os portos de Puerto Williams, Valparaiso, Talcahuano e Punta Arenas.

Em 19 de dezembro, realizou exercício de tiro real, disparando um míssil Exocet MM-40 contra o casco do ex-CT Alagoas - D 36, que foi afundado. Como curiosidade, cabe citar que o EGA da Inhaúma, encarregado desse exercício, foi o último "Bucaneiro", que teve a dura missão de entregar o casco do ex-CT Alagoas ao Grupo de Alvos do CASOP.

1997

Em março, em Grupo-Tarefa com a F Constituição - F 42 e o NT Almirante Gastão Motta- G 23, participou da Operação ATLASUR III, realizada em águas sul-africanas com unidades das Marinhas da África do Sul, Argentina e Uruguai. Também participaram da Parada Naval em comemoração ao 75º Aniversario da Marinha Sul Africana. Foi visitada a Base Naval de Simon´s Town.
Entre 15 a 19 de setembro, participou de exercícios combinados na âmbito da 1ª Divisão da Esquadra (Com1ªDivE), sob o comando do Contra-Almirante Rayder Alencar da Silveira, na área Rio-Vitória.

Em dia 16 de outubro, saiu ao mar junto com a Cv Frontin - V 33 para realizar demonstração com a presença do CEMA da Marinha Italiana e do ComenCh.

Entre os dias 10 e 14 de novembro, participou da Operação FRATERNO XVII, realizadas na área marítima compreendida entre Angra dos Reis-RJ e Cabo Frio-RJ, integrando o Grupo-Tarefa brasileiro (GT-101.2) que também era formado pela F Dodsworth – F 47, CT Paraíba – D 28 e o NT Almirante Gastão Motta – G 23. O Grupo-Tarefa argentino (GT-101.1) foi formado pela F ARA Sarandi – D 13, Cv ARA Guerrico – F 32 e S ARA Salta – S 31. Além de aeronaves AH-11 Super Lynx e UH-13 Esquilo-Bi da ForAerNav, participaram também aeronaves F-5E Tiger II, A-1A AMX e P-95 Bandeirulha da FAB. O RbAM Almirante Guillobel - R 25, prestou apoio a operação realizando o reboque de alvos.

1998

Entre 1º e 9 de junho, participou da Operação ADEREX-II/98, realizada na área compreendida entre Rio de Janeiro e Vitória. Integrou um Grupo-Tarefa, formado pela 1ª Divisão da Esquadra, e que incluía também a F Greenhalgh – F 46 (capitânia), F Dodsworth – F 47 e o CT Paraná - D 29. Também participaram do exercício, prestando apoio, o S Timbira - S 32, os NT Almirante Gastão Motta - G 23 e Marajó - G 27, o RbAM Tridente - R 22 e o NPa Guaporé - P 45, além de aeronaves da MB e da FAB.

1999

Em 12 de dezembro, completou 10 anos de serviço ativo, tendo atingido a marca de 568 dias de mar.

1999-2000

Realizou o seu primeiro PMG - Período de Manutenção Geral.

2001

Em 31 de janeiro, passou a subordinação do Comando do 1º Esquadrão de Escolta (ComEsqdE-1), criado pelo Decreto n.º 3682 de 06/12/2000.

Entre 22 de março a 29 de maio, realizou Comissão de Inspeção e Assessoria de Adestramento (CIAsA).

Entre 22 e 29 de agosto, participou da Operação ADEREX III/01, realizada na área marítima entre o Rio de Janeiro e São Paulo, acompanhada da F Rademaker - F 49 (capitânia), F Bosísio - F 48, F União - F 45, NDD Rio de Janeiro - G 31 e o S Tapajó - S 33. Esses navios integravam o GT 808.3, sob o comando do Com2ªDivE, CA Marcelio Carmo de Castro Pereira. Foi visitado o porto de Santos-SP. Também participaram da Operação, as Cv Frontin - V 33 e Júlio de Noronha - V 32, o S Timbira - S 32, o NPa Gurupá - P 46 e aeronaves F-5E, A-1, AT-27 e P-95 da FAB.

Entre 11 e 20 de setembro, participou da Operação ADEREX IV/01, realizada ao largo do litoral do Rio - São Paulo - Espírito Santo, integrando o GT 809.2 sob o comando do Com1ªDivE, CA Marcos Martins Torres. Os outros navios que participaram da ADEREX IV/01, foram as F Niterói - F 40, União - F 45 e Rademaker - F 49, o CT Pernambuco - D 30, a Cv Julio de Noronha - V 32, o S Timbira - S 32 e o NT Alte. Gastão Motta - G 23. Foi visitado o porto de Vitória-ES.

A Inhaúma mais tarde foi equipada com o sistema de MAGE IPqM ET/SDR-2 e CME ET/SLQ-1A e ET/SLR-1X.
2004

Em maio, participou de exercícios realizados entre o Rio de Janeiro e São Paulo, integrando um GT formado pela 1ª Divisão da Esquadra que incluía a F Bosisio - F 48 (capitânia), o CT Pará - D 27, a Cv Julio de Noronha - V 32 e o NT Marajó - G 27. Também participou dessa comissão como navio escoteiro o S Tapajó – S 33. Foi visitado o porto de Santos entre os dias 14 e 17 de maio.

No final de junho, realizou Verificação de Eficiência (VE), dentro da Inspeção Operativa (IO) realizada pela CIASA do CAAML, após ter ficado imobilizada por um período de cerca de três anos.

Em 4 de agosto, durante a Operação ESQUADREX 04, realizada na área marítima entre o Rio e Vitória, participou de uma Parada Naval junto com as F Bosisio – F 48, Rademaker – F 49 e Defensora – F 41, o CT Pará – D 27, o NT Marajó – G 27 e os S Tupi – S 30 e Tapajó – S 33, assistida pelo Presidente da Republica Luiz Inácio Lula da Silva e comitiva, embarcada no NAe São Paulo – A 12.

2005
Entre os dias 19 e 26 de janeiro, participou da Operação ASPIRANTEX 05, realizada nos litorais do Rio de Janeiro e São Paulo, incluindo Ilha Grande-RJ, São Sebastião-SP e Alcatrazes-SP, integrando o GT 701.1, comandado pelo CA Eduardo Monteiro Lopes, Comandante da 2ª Divisão da Esquadra. O GT 701.1 era composto pelas F Defensora - F 41 (capitânia) e Bosisio - F 48, NDD Ceará - G 30 e o NT Almirante Gastão Motta - G 23. Também participaram como unidades isoladas o S Tupi - S 30, os NPa Guajará - P 44 e Gurupá - P 46 e o NTrT Ary Parreiras - G 21. Além desses unidades da Esquadra, participaram aeronaves dos Esquadrões HA-1, HU-1 e HU-2 e elementos do GRUMEC. Estiveram distribuídos nos diversos navios, 267 Aspirantes da Escola Naval e mais Oficiais Alunos da EFOMM. Visitou o porto de Santos entre os dias 21 e 24 de janeiro.
Em 17 de março e 10 de maio, foi submetida a VSA pela SIPAA-ForSup.

Em 17 de maio, integrando um GT formado pelo NAe São Paulo - A 12 e o NT Marajó - G 27, suspendeu para exercícios na área marítima entre o Rio de Janeiro e São Paulo, com escala prevista em Santos. Esse exercício foi cancelado em virtude de um acidente grave ocorrido na Praça de Máquinas do NAe São Paulo.

Entre os dias 20 de junho e 7 de julho, participou da Operação ADEREX II/05 que foi realizada na área marítima entre o Rio de Janeiro e Salvador sob o comando geral do ComemCh, VA Aurélio Ribeiro da Silva Filho. Os exercícios foram coordenados pelos Comandantes da Div1, CA Sergio Antonio da Conceição Freitas, e, o da Div 2, CA Carlos Augusto de Sousa. A Força-Tarefa foi composta também pelas F Independência – F 44 (capitania/ComemCh), Greenhalgh – F 46 (capitania/ComDiv2), Rademaker – F 49, NDD Ceará – G 30 (capitania/ComDiv1) e o NT Marajó – G 27. Na segunda fase da ADEREX II/05, já em Vitória, juntam-se ao exercício a Cv Jaceguai – V 31 e o CT Pará – D 27. O NPa Gurupi – P 47 e o S Tapajó – S 33 representaram a OPFOR.
Entre 15 de agosto e 2 de setembro, participou da Operação ESQUADREX 05, sob o comando do VA Aurélio Ribeiro da Silva Filho, ComenCh e dos CA Antonio Alberto Marinho Nigro, ComForSup e Sergio Antonio da Conceição Freitas, ComDiv1Esq. Também estiveram presentes na comissão, o NDD Ceará – G 30, as F Defensora – F 41 (capitânia), Liberal – F 43, Independência – F 44 e Rademaker – F 49, CT Pará – D 27, NT Marajó – G 27. e o S Tapajó - S 33. Também participaram em apoio a operação os NPa Guaporé – P 45 e Gurupá – P 46. Depois de escalarem em Santos-SP entre os dias 19 e 22, a FT suspendeu para Vitória-ES. No retorno ao Rio de Janeiro, foram realizados exercícios de Controle de Área Marítima (CAMEX). Durante a Operação estiveram embarcados observadores da FAB e do EB, e na fase de CAMEX houve a participação de aeronaves P-95A/B Bandeirulha dos quatro Esquadrões do 7º GAv e R-99A do 2º/6º GAv.
Entre 20 e 28 de setembro, integrando GT com as F Defensora - F 41 (capitânia), Liberal - F 43, Independência - F 44 e Greenhalgh - F 46, o CT Pará - D 27, as Cv Jaceguai - V 31, o NT Marajó - G 27 e o S Tupi - S 30, participou da Operação MISSEX-05, quando foi afundado em alto-mar, ao largo da costa do Rio de Janeiro, o casco do ex-NTrT Soares Dutra - G 22, que depois de receber um míssil Exocet MM-40 disparado pela F Greenhalgh - F 46, disparos de canhão dos navios do GT, foi finalmente posto a pique por uma esquadrilha de caças A-1 AMX. Foi visitado o porto de Santos-SP.
2007

Em 11 de junho, data alusiva ao 142º Aniversario da Batalha Naval do Riachuelo, realizou ação de presença em Maceió-AL.

Em setembro participou da Operação ALBACORA, que também envolveram forças do Exército e da Força Aérea sob coordenação do Ministério da Defesa. A Força-Tarefa que participou da Operação era composta pelos NDD Ceará – G 30 e Rio de Janeiro – G 31, o NDCC Mattoso Maia – G 28, o NTrT Ary Parreiras – G 21, as Cv Inhaúma – V 30 e Jaceguai – V 31, além de unidades aeronavais e de fuzileiros navais.

Entre 15 e 22 de outubro participou da Operação TORPEDEX/07, que foi realizada na aérea marítima compreendida entre o Rio de Janeiro e Santos, integrando um Grupo-Tarefa, comandado pelo Comandante a Força de Superficie, CA Wilson Barbosa Guerra, formado pelas Fragatas Niterói - F 40, Bosisio - F 48 e Rademaker - F 49, Corveta Inhaúma - V 30 e Navio-Tanque Almirante Gastão Motta - G 23. Foram executados diversos exercícios e manobras, entre elas: faina de reboque; lançamento e recolhimento de três torpedos de exercício; transferência de óleo no mar e realização de exercício de guerra anti-submarino, com a participação do Submarino Tupi - S 30. Entre 18 e 21 de outubro, esteve no porto de Santos-SP.
2008

Em junho participou, junto com os NPa Grajaú e Guaíba, da reativação da Estação Científica do Arquipélago de São Pedro e São Paulo (ASPSP), depois de realizadas reformas para aumentar a segurança e o conforto contando inclusive com uma antena do Governo Eletrônico do Serviço de Atendimento ao Cidadão (GESAC), para acesso à Internet, que foi tranportada pela Inhaúma.

Entre 21 e 29 de julho, participou da Operação ADEREX-I/08, realizada na área marítima entre o Rio de Janeiro e São Paulo. Também participaram da comissão as F Niterói - F 40, Independência - F 44 (capitania), Bosisio - F 48 e Rademaker - F 49, a Cv Frontin - V 33, NT Almirante Gastão Motta - G 23, NDCC Mattoso Maia - G 28 e o S Tamoio - S 31. Foi visitado o porto de Santos-SP.
No retorno ao Rio de Janeiro, no dia 29 de julho, após a Operação ADEREX-I/2008, participou de um desfile naval pela orla do Rio de Janeiro junto com às F Independência - F 44, Niterói - F 40 e Rademaker - F 49, a Cv Frontin - V 33 e o NT Almirante Gastão Motta - G 23.

Entre os dias 12 e 21 de novembro, na área marítima compreendida entre o Rio de Janeiro e Rio Grande, participou da Operação FRATERNO XXVII, realizada em conjunto com a Armada Argentina, envolvendo 1580 militares brasileiros e 497 argentinos. Integrou o Grupo-Tarefa brasileiro sob o comando Contra-Almirante José Aloysio de Melo Pinto, Comandante da 1ª Divisão da Esquadra, que foi formado pelo NDD Rio de Janeiro - G 31, as F Bosisio - F 48 e Rademaker - F 49, as Cv Inhaúma - V 30 e Frontin - V 33 e o S Tupi - S 30. O Grupo-Tarefa argentino foi comandado pelo Capitão-de-Mar-e-Guerra Castro Madero Carlos Bartolome e era formado pela F ARA Heroína D 12, pelas Cv ARA Spiro - F 43, NT ARA Patagônia - B 1 e o S ARA Salta - S 31. A Operação FRATERNO é realizada desde 1978.

2009

No período de 8 a 31 de janeiro de 2009, participou da Operação ASPIRANTEX-09, realizada na área marítima compreendida entre o Rio de Janeiro e Fortaleza, que contou com a participação das F Niterói - F 40, Defensora - F 41 e Liberal - F 43, das Cv Inhaúma – V 30 e Jaceguai – V 31, do NDD Rio de Janeiro - G 31, do NTrT Ary Parreiras - G 21. Foram visitados os portos de Fortaleza-CE e Salvador-BA.
Entre 30 de março e 7 de abril, participou da Operação ADEREX-I/09, realizada na área marítima entre o Rio de Janeiro e Santos, junto com às F Liberal - F 43 (capitânia) e Bosisio - F 48; Cv Inhaúma - V 30, Jaceguai - V 31 e Frontin - V 33, NT Almirante Gastão Motta - G 23, S Tupi - S 30 e NSS Felinto Perry - K 11, além de aeronaves do 1º Esquadrão de Helicópteros de Esclarecimento e Ataque, dos 1º e 2º Esquadrões de Helicópteros de Emprego Geral, do 1º Esquadrão de Helicópteros Anti-Submarino e do 1º Esquadrão de Aviões de Interceptação e Ataque. Os navios formavam o GT-703.1, sob o comando do Comandante-em-Chefe da Esquadra, Vice-Almirante Fernando Eduardo Studart Wiemer. Também estavam embarcados o Contra-Almirante Ilques Barbosa Junior, Comandante da 2ª Divisão da Esquadra e o Contra-Almirante Dilermando Ribeiro Lima, Chefe do Estado-Maior da Esquadra. Foi visitado o porto de Santos-SP.

De acordo com a Portaria n° 349/MB, de 21 de novembro de 2016, foi efetuada a baixa do Serviço Ativo da Armada da Corveta "Inhaúma" no dia 25 de novembro de 2016.

Entidade custodiadora

Procedência

Corveta Inhaúma.

Âmbito e conteúdo

Documentos relacionados à Corveta Inhaúma

Avaliação, selecção e eliminação

Ingressos adicionais

Sistema de arranjo

Condições de acesso

Livre

Condiçoes de reprodução

Sem restrição

Idioma do material

  • português do Brasil

Script do material

Notas ao idioma e script

Características físicas e requisitos técnicos

Instrumentos de descrição

Existência e localização de originais

Existência e localização de cópias

Unidades de descrição relacionadas

Descrições relacionadas

Identificador(es) alternativos

Pontos de acesso de assunto

Pontos de acesso local

Ponto de acesso nome

Pontos de acesso de gênero

Identificador da descrição

Identificador da instituição

Regras ou convenções utilizadas

Status

Final

Nível de detalhamento

Parcial

Datas de criação, revisão, eliminação

18/11/2013

Idioma(s)

Sistema(s) de escrita(s)

Fontes

Zona da incorporação

Assuntos relacionados

Pessoas e organizações relacionadas

Gêneros relacionados

Lugares relacionados