Comando do Grupamento de Patrulha Naval do Sul

Área de identificação

tipo de entidade

Entidade coletiva

Forma autorizada do nome

Comando do Grupamento de Patrulha Naval do Sul

Forma(s) paralela(s) de nome

  • COMGPTPATNAVS

Formas normalizadas do nome de acordo com outras regras

  • GPNSUL

Outra(s) forma(s) do nome

  • 85100

identificadores para entidades coletivas

área de descrição

datas de existência

08/09/1967

história

O Comando do Grupamento de Patrulha Naval do Sul (originalmente designado “Comando do Grupamento Naval do Sul”) teve sua primeira sede na cidade do Rio de Janeiro – RJ, subordinado ao Comando do 1º Distrito Naval, de acordo com o aviso N° 2106 (reservado) de 08 de setembro de 1967. E quando da transferência de subordinação para o Comando do 5º Distrito Naval com sede na cidade de Rio Grande – RS, todos os livros e publicações pertencentes a esse Comando ficaram pertencendo ao Comando do Grupamento Naval do Leste, que ocupou as mesmas instalações, mobiliária, publicações, viaturas e outros bens que se fizessem necessários ao Comando do Grupamento Naval do Sul, de acordo com o MEMORANDO N° 0017 de 30 de setembro de 1983 do Comandante de Operações Navais.

Em 31 de janeiro de 1983 o Comando do Grupamento Naval do Sul passou a ser subordinado ao Comando do 5º Distrito Naval, com sede na cidade do Rio Grande- RS , de acordo com o decreto n ° 88.075, de 31 de janeiro de 1983.

Em 11 de junho de 1984, pela Ordem do Dia n ° 0004, de 11 de junho de 1984, do Comandante de Operações Navais, foi efetivada a sua subordinação ao Comando do 5º Distrito Naval, quando aqui chegaram as duas Corvetas (Imperial Marinheiro e Bahiana), trazendo a bordo da Corveta Imperial Marinheiro o Comandante do Grupamento Naval do Sul, o Capitão-de-Mar-e-Guerra Wladimir Pereira Carvalho.

Em 09 de julho de 1987, foi incorporado ao Comando do Grupamento Naval do Sul o Rebocador de Alto-Mar Tritão, que havia chegado à cidade do Rio Grande em 03 de julho de 1987 e passado à subordinação do Comando do 5º Distrito Naval em 06 de julho de 1987. O Rebocador de Alto-Mar Tritão foi incorporado à Marinha Brasileira em 19 de fevereiro de 1987.

Em 2006, por meio da Portaria nº 192 do Comandante da Marinha, teve seu nome alterado para Comando do Grupamento de Patrulha Naval do Sul.

Locais

Rio Grande do Sul

status legal

funções, ocupações e atividades


  • A vigilância e fiscalização da área marítima de jurisdição do Com5ºDN no que diz respeito ao cumprimento das leis, a preservação da vida humana, a manutenção de um tráfego seguro e a defesa do patrimônio natural brasileiro.


  • O serviço de socorro marítimo, para o qual é mantido um navio sempre pronto, designado "Navio de Serviço". Esse serviço tem como principal tarefa a salvaguarda da vida humana em casos de acidentes marítimos.


  • As operações de socorro e salvamento podem envolver o combate a incêndio, a manutenção ou recuperação da estanqueidade de navios, o transbordo de pessoal e material, o reboque e o desencalhe. Geralmente, essas fainas são realizadas em condições adversas de tempo e estado do mar, o que requer um adequado preparo do pessoal, uma técnica apurada, elevada capacidade de trabalho e espírito de equipe.


  • A patrulha de naval, conduzida normalmente em convênio com o IBAMA, tem a finalidade de garantir o cumprimento da legislação e da regulamentação relativas à preservação das espécies aquáticas.


  • Em acréscimo a essas atividades, conduzidas cotidianamente, o GPNSUL realiza adestramento específico para manter-se em condições de cumprir sua tarefa militar básica da defesa de área marítima restrita.


  • De todas as atribuições relacionadas, a patrulha costeira é, sem dúvida, a que tem recebido mais ênfase e a que mais exige dos navios e tripulações. A presença constante nos mares do sul tem sido de fundamental importância na repressão à pesca predatória, garantindo assim a preservação dos nossos recursos naturais. Essa atividade também tem um importante papel para a fiscalização do tráfego mercante, impedindo assim a pirataria em águas brasileiras.


  • As operações de defesa de porto constituem uma das tarefas mais importantes desse Grupamento por contribuir para o bom funcionamento das atividades portuárias contribuindo assim para a soberania nacional.

Mandatos/Fontes de autoridade

Estruturas internas/genealogia

contexto geral

Realizar socorro e salvamento, operações de defesa de porto, patrulha naval , inspeção naval e prestar apoio logístico aos meios subordinados a fim de contribuir para a salvaguarda de vidas humanas e do material, para a defesa do tráfego de interesse nacional e para o controle do uso das áreas marítimas sob jurisdição do Comando do 5º Distrito Naval.

Área de relacionamento

Área de ponto de acesso

Ocupações

Área de controle

Identificador do registro de autoridade

Identificador da instituição

Regras ou convenções utilizadas

Status

Preliminar

Nível de detalhamento

Parcial

Datas de criação, revisão e eliminação

02/09/2013- Nathália Costa (Estagiária)

Idioma(s)

Sistema(s) de escrita(s)

Notas de manutenção

  • Área de Transferência

  • Exportar

  • EAC