Comando da Força de Superfície

Área de identificação

tipo de entidade

Entidade coletiva

Forma autorizada do nome

Comando da Força de Superfície

Forma(s) paralela(s) de nome

  • COMFORSUP

Formas normalizadas do nome de acordo com outras regras

  • FORPER

Outra(s) forma(s) do nome

  • 91600

identificadores para entidades coletivas

área de descrição

datas de existência

01/03/1996

história

Criado pelo Decreto Presidencial nº 01827 de 1º de março de 1996 e ativado a 4 de março, em decorrência de significativas alterações na estrutura da Esquadra, que, sob o Comando do Comandante-em-Chefe (ComemCh), constitui o núcleo principal das unidades navais e aeronavais da Marinha, o Comando da Força de Superfície (ComForSup) é a ela diretamente subordinado. À Força de Superfície, eram diretamente subordinados os seguintes Comandos:

Comando do 1º Esquadrão de Apoio (ComEsqdAp-1), tendo sob sua subordinação os Navios de Transporte de Tropas Classe Barroso Pereira, os Navios-Tanque Marajó e Almirante Gastão Motta; Comando do 1º Esquadrão de Contratorpedeiros (ComEsqdCT-1) , tendo sob sua subordinação os Contratorpedeiros Classe Pará; Comando do 1º Esquadrão de Corvetas (ComEsqdCV-1), tendo sob sua subordinação as Corvetas Classe Inhaúma; Comando do 1º Esquadrão de Fragatas (ComEsqdF-1), tendo sob sua subordinação as Fragatas Classe Niterói; Comando do 2º Esquadrão de Fragatas (ComEsqdF-2), tendo sob sua subordinação as Fragatas Classe Greenhalgh; Comando do 1º Esquadrão de Navios Anfíbios (ComEsqdNAnf-1), tendo sob sua subordinação os Navios de Desembarque-Doca Classe Ceará; e o Navio de Desembarque de Carros de Combate Mattoso Maia;
Navio Aeródromo Ligeiro Minas Gerais, Navio-Escola Brasil; e Navio-Veleiro Cisne Branco.

De acordo com o Decreto nº 3.682, de 6 de dezembro de 2000, que modificou a Estrutura Organizacional da Esquadra, os seguintes Comandos de Esquadrões foram criados, no lugar dos antigos Esquadrões extintos pelo mesmo Decreto, subordinados ao Comando da Força de Superfície. Esta nova estrutura foi ativada no dia 31 de janeiro de 2001, passando a ser diretamente subordinados à Força de Superfície os seguintes Comandos:

Comando do 1º Esquadrão de Escolta (ComEsqdE-1), tendo sob sua subordinação as Fragatas Classe Niterói. Comando do 2º Esquadrão de Escolta (ComEsqdE-2) , tendo sob sua subordinação as Fragatas Classe Greenhalgh, Corvetas Classe Inhaúma e Contratorpedeiros Classe Pará;

Comando do 1º Esquadrão de Apoio (ComEsqdAp-1), tendo sob sua subordinação os Navios Desembarque Doca Classe Ceará, Navio Desembarque de Carros de Combate Mattoso Maia, Navios Transporte de Tropas Classe Custódio de Mello, Navio-Tanque Marajó e Navio-Tanque almirante Gastão Motta; Navio Aeródromo Ligeiro Minas Gerais (Compare!), Navio Aeródromo São Paulo (Compare!), Navio-Escola Brasil; e Navio-Veleiro Cisne Branco.

Locais

Rio de Janeiro.

status legal

funções, ocupações e atividades

O Comando da Força de Superfície tem por propósito contribuir para a eficácia do emprego dos meios navais subordinados na fase de aplicação do Poder Naval.

Para a consecução do propósito, cabe ao Comando da Força de Superfície as seguintes tarefas principais:

1. Orientar, coordenar e controlar o preparo e a manutenção dos meios subordinados;
2. Planejar, coordenar e controlar as fases I e II de adestramento dos meios subordinados;
3. Exercer o gerenciamento de pessoal, em âmbito da Força, encaminhando as necessidades ao Comando-em-Chefe da Esquadra; e
4. Executar as atividades administrativas, em proveito dos meios subordinados, em conformidade com a legislação vigente.

Mandatos/Fontes de autoridade

Estruturas internas/genealogia

contexto geral

Área de relacionamento

Área de ponto de acesso

Ocupações

Área de controle

Identificador do registro de autoridade

Identificador da instituição

Regras ou convenções utilizadas

Status

Final

Nível de detalhamento

Parcial

Datas de criação, revisão e eliminação

02-09-2013- Nathália Costa (Estágiária)

Sem conteúdo suficiente para o Contexto Geral.

Idioma(s)

Sistema(s) de escrita(s)

Notas de manutenção

  • Área de Transferência

  • Exportar

  • EAC