Centro de Munição da Marinha

Área de identificação

tipo de entidade

Entidade coletiva

Forma autorizada do nome

Centro de Munição da Marinha

Forma(s) paralela(s) de nome

  • CMM

Formas normalizadas do nome de acordo com outras regras

  • CENMUN

Outra(s) forma(s) do nome

  • 71280

identificadores para entidades coletivas

área de descrição

datas de existência

21/08/1956

história

Em 1936, o jornalista MAGALHÃES CORREA, do "Correio da Manhã", em reportagem intitulada "Águas Cariocas", descrevia a principal ilha que compõe o nosso Centro de Munição: Ilha do Boqueirão, antiga dos Coqueiros, proveniente de grande plantação de coqueiros vindos de Pernambuco em 1822. Era proprietário desta formosa ilha da Guanabara, EZEQUIEL DA ROCHA FREIRE, casado com D. CATHARINA ADELAIDE ALVES FERREIRA e falecido, em 1867, ficando a viúva como inventariante dos seus bens.
Em 20 de dezembro de 1872, por escritura pública do TABELIÃO CASTANHEDA JÚNIOR, foi ajustada a venda da ilha com o Ministro da Guerra, pela quantia de 28 contos de réis, para serem ali construídos depósitos de pólvora e munições de guerra, os quais foram inaugurados em 1874. Segundo o jornalista, com a inauguração, ficou a cidade do Rio de Janeiro desafrontada do enorme perigo que corria pela existência desses depósitos na Ilha de Santa Bárbara, em frente, e muito próximo, dos populosos bairros da Gambôa e Santo Cristo.
Em 24 de julho de 1909, o Ministro da Marinha, Almirante ALEXANDRINO DE ALENCAR, pedia ao Ministro da Fazenda, Sr. LEOPOLDO DE BULHÕES, que fosse cedida a ilha ao seu Ministério, com a concordância do Ministro da Guerra, para diversos serviços que ali precisava estabelecer. Assim, por Aviso n.º 75 do Ministro da Fazenda, de 13 de setembro de 1909, a Ilha do Boqueirão foi transferida para o Ministério da Marinha, onde foi instalada a Diretoria de Artilharia do Arsenal e suas dependências.
A partir de 1931, instalou-se nas ilhas do Boqueirão e Rijo o Departamento de Munição do antigo Centro de Armamento da Marinha (CAM), localizado na Ponta da Armação, Niterói, já com o propósito de instalar a munição da Marinha em lugar próprio e seguro.
Finalmente, por meio de Decreto n.º 39.840 de 21 de agosto de 1956, foi criada como OM autônoma o Centro de Munição da Marinha e teve o seu primeiro regulamento aprovado em setembro de 1957.
Ao longo desses 43 anos, o CMM cresceu e teve seu nome alterado em agosto de 1985 para Centro de Munição Almirante ANTÔNIO MARIA DE CARVALHO, em homenagem ao proeminente Chefe Naval que muito contribuiu para o desenvolvimento do armamento da Marinha e grande incentivador e mentor da transformação do Centro em OM independente. Em setembro de 1995, voltou a denominar-se Centro de Munição da Marinha.
Apesar de tão jovem como OM autônoma, as atividades desenvolvidas nas ilhas do Boqueirão, Rijo e adjacências, remontam ao início do século, quando, paulatinamente, foram executadas as mais diversas tarefas ligadas à munição naval. Após a explosão ocorrida em julho de 1995, retornamos no final de novembro de 1998 à Ilha do Boqueirão e hoje vivemos a realidade de um novo Centro de Munição, moderno e operacional, com novas instalações, resultado de um trabalho de reconstrução, edificadas nesta histórica ilha.

Locais

Rio de Janeiro

status legal

funções, ocupações e atividades

Para consecução do seu propósito, cabem as seguintes tarefas a seguir, definidas como atividades gerenciais de abastecimento, para o material de sua jurisdição:
I - contabilizar o material;
II - controlar o estoque;
III - armazenar; e
IV - fornecer.

Mandatos/Fontes de autoridade

Estruturas internas/genealogia

contexto geral

O CMM tem o propósito de contribuir para a consecução das atividades de abastecimento às Organizações Militares da Marinha, no que diz respeito ao material do símbolo de jurisdição "J".

Área de relacionamento

Área de ponto de acesso

Ocupações

Área de controle

Identificador do registro de autoridade

Identificador da instituição

Regras ou convenções utilizadas

Status

Final

Nível de detalhamento

Parcial

Datas de criação, revisão e eliminação

04/09/2013 - Estagiário Gustavo Nascimento Rocha Dias

Idioma(s)

Sistema(s) de escrita(s)

Notas de manutenção

  • Área de Transferência

  • Exportar

  • EAC